Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Amigos e familiares protestam contra a sentença da juíza Débora Faitarone que inocentou cinco policiais militares envolvidos na morte dos pichadores Alex Dalla Vechia e Ailton dos Santos, ocorrida em 2014. Foto por Sérgio Silva | Ponte Jornalismo.
|

A juíza Débora Faitarone, da 1ª Vara do Juri da Justiça Estadual de São Paulo, decretou nessa última sexta-feira (11) a prisão preventiva do ex-vereador de Diadema pelo Partido dos Trabalhadores (PT) Manoel Eduardo Marinho, o Maninho do PT, e de seu filho Leandro Marinho por terem agredido um homem que tentou invadir o Instituto Lula no dia em que o juiz golpista Sérgio Moro decretou a prisão do ex-presidente Lula. Sua alegação é de que a reação foi uma tentativa de homícidio.

No terrível dia, os petistas reagiram à provocação de um coxinha que foi ao instituto Lula comemorar e debochar da prisão do ex-presidente. Carlos Alberto Bettoni foi respondido após ter xingado e ameaçado todos que estavam no Instituto Lula, mas foi justamente no momento em que ameaçou o senador da República Lindberg Farias (PT), onde estavam há pouco reunidos com Lula. Numa resposta totalmente cabível, os militantes ali presentes expulsaram o direitista da frente do Instituto e no momento em que fugia para a rua o homem foi empurrado e bateu a cabeça num parachoque de caminhão. Se machucou e ficou alguns dias internado.

A juíza diz em relação aos petistas “Eles não podem permanecer em liberdade após a prática de um crime doloso contra a vida, praticado de maneira tão covarde” como alegação para a prisão. Ao mesmo tempo, o monopólio de imprensa burguesa caiu matando em cima do PT, alegando que seus militantes tentaram matar o opositor.  Faitarone disse ainda em sua sentença que “a liberdade dos acusados geraria, na sociedade, uma enorme sensação de impunidade e a impunidade é um convite ao crime”.

A sensibilidade e aparente choque diante da violência entretanto são apenas uma fachada, bem mal feita pela juíza, para dar continuidade na perseguição política a esquerda. Justamente pois em casos em que o assassinato foi concretizado e que as evidências eram reais, como no caso da acusação do Policial Militar Danilo Keity Matsuoka e outros cinco PMs, acusados de assassinar dois pichadores, Ailton dos Santos, de 33 anos e Alex Dalla Vechia, a cidadã acima da lei os absolveu. Velhos conhecidos, esse mesmo PM já havia sido absolvido pela mesma juíza por outro assassinato.

O PM e outros dois policiais foram denunciados pelo Ministério Público de São Paulo (MP-SP) pela morte de Rafael Carvalho de Oliveira em janeiro de 2013, na Mooca, bairro da cidade de São Paulo. De acordo com a juíza defensora da vida acima de tudo, no dia do assassinato, a vítima estava com outros quatros adolescentes em uma praça bebendo e usando drogas. Isto é, aparentemente justificando o assassinato do jovem.

Faixa aberta durante protesto contra decisão da juíza em inocentar os cinco policiais militares acusados.

Além do assassinato, Matsuoka e outros policiais também foram denunciados por fraude processual. Segundo o MP, eles teriam plantado uma arma com a vítima e disparado com ela, forjando assim um “confronto”.

Seguindo a fama da maioria dos magistrados, a justiceira de São Paulo aplica o rigor da lei contra os petistas, sob alegação de que são assassinos e por isso não deveriam estar em liberdade. Quer caçar a esquerda que luta pelos direitos do povo trabalhador. Essa, que é carcereira da esquerda, mas que inocenta policiais assassinos.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas