Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
preta ferreira
|

No dia 30 de julho, realizou-se em frente ao Fórum Criminal da Barra Funda um ato em defesa da liberdade das lideranças do Movimento de ocupações no centro, na capital de São Paulo.
As lideranças estão separadas em três locais diferentes, o Sidney Ferreira se encontra no presídio de Pinheiros, Janice Ferreira da Silva (Preta Ferreira), Edinalva Silva Ferreira se encontram no presídio de Santana, ala feminina do antigo Carandiru, em São Paulo, palco do maior massacre de presos da história do país, realizado pela polícia militar em outubro de 1992, no governo de Luiz Antônio Fleury Filho (até hoje não se prendeu um único envolvido por tamanha chacina) e Angélica dos Santos Lima que se encontra no presidio feminino de Franco da Rocha.
No dia do ato, foi sido solicitada uma audiência junto à Juíza Erika Mascarenhas para apressar o julgamento do habeas corpus, uma vez que, na última reunião, a juíza havia dito que não tinha lido o processo e não poderia dar nenhum parecer.
Desta vez a apreciação foi adiada mais uma vez, uma forma de protelar a decisão. Qualquer semelhança com os pedidos de habeas corpus do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva não é mera coincidência, os pedidos de habeas corpus do Lula foram inúmeras vezes postergados e até hoje não há um parecer.

Não é só a situação do habeas corpus o que coincide a prisão do Lula com o da prisão dessas lideranças, pois o promotor público que indiciou as lideranças das ocupações do centro de São Paulo é o mesmo que indiciou o Lula, sem provas, no caso do tríplex de Guarujá, o Cassio Conserino, num único propósito que é o de destruir toda e qualquer organização social que defenda minimamente, melhores condições para a população explorada e os trabalhadores, começando com o PT e chegou até o Lula e, nesse momento estão atacando os sem teto, nem firme proposito de aprofundar cada vez mais.
Nenhuma confiança no judiciário golpista
A juíza ameaça colocar o processo como segredo de justiça e devolvê-lo ao Ministério Público do Estado de São Paulo, para Cássio Conserino.
O juiz Cássio Conserino é parte da máquina do PSDB de São Paulo, onde temos o governador golpista Doria aliado ao fascista Jair Bolsonaro presidente ilegítimo da república e do prefeito da capital Bruno Covas.
A situação da luta pela liberdade de Lula, bem como, das lideranças dos sem teto de São Paulo, e dos demais presos políticos do Brasil só poderá ser resolvida com a mobilização nacional, tanto dos sem teto, sem terra, do conjunto dos trabalhadores da ativa e desempregados, em suma, do conjunto da população explorada através de comitês de luta contra o golpe.
Fora Bolsonaro
Fora João Doria Jr
Fora Bruno Covas

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas