Em favor da especulação
Juiz Fernando Paropat emite ordem de despejo contra 200 famílias que vivem há 17 anos no Projeto Mangabeira, uma área devoluta e de grande interesse da especulação imobiliária
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
WhatsApp Image 2020-07-21 at 19.39.37
Famílias de trabalhadores estão há 17 anos no local | Imagem: reprodução

No dia 17 de julho, o juiz Fernando Paropat, da 2° Vara Cível de Porto Seguro, emitiu um pedido para a reintegração de posse de uma área no município de Porto Seguro, Extremo Sul da Bahia, chamada Projeto Mangabeira.

A área que foi emitida a ordem de despejo é uma área devoluta que foi ocupada em 2003 e hoje vivem 200 famílias e que foi batizado de Projeto Mangabeira. Há 17 anos essas famílias tiram o seu sustento e criaram seus filhos dessa área ocupada. Já existe escola, poços artesianos e as famílias acessaram diversas linhas de financiamento agrícola do Estado. Existem mais de 800 pessoas e duzentas casas de alvenaria dentro do Projeto.

A área em questão é terra devoluta e já possui processo de regularização reconhecida pela Coordenação de Desenvolvimento Agrário (CDA), órgão do estado responsável pela regularização, desde 2015.

A decisão do juiz Fernando Paropat de jogar 200 famílias nas ruas de uma área devoluta em processo de regularização já seria um absurdo e em meio a pandemia de coronavírus, onde os órgãos de saúde dizem para as pessoas ficarem em casa, é ainda mais irracional.

A única conclusão que podemos chegar é que existem interesses políticos em perseguir essas famílias que já possuem todos os seus bens e trazem enormes benefícios para a cidade de Porto Seguro.

Fica evidente que a decisão do juiz Fernando Paropat beneficia a especulação imobiliária do município, pois as famílias nunca foram incomodadas até a construção de uma estrada em 2015 que passa na frente do assentamento chamada de Rodoanel, que leva as praias do litoral norte de Porto Seguro. Após a construção houve o requerimento da área por pessoas que nunca estiveram no local.

Após a abertura do rodoanel já estão sendo planejados condomínios de luxo e na frente do Projeto Mangabeira já existem um condomínio com lotes a venda pelos patrões da cidade. O Juiz se aproveita do momento político em que a direita avança contra os direitos dos trabalhadores e da população para beneficiar os lucros dos patrões.

Querem transformar o Projeto Mangabeira, local onde 200 famílias vivem e produzem para a cidade de Porto Seguro em um grande condomínio de luxo para a especulação imobiliária. É importante lembrar que existem outras ocupações na mesma região que podem sofrer o mesmo processo e caso seja executado o despejo do Projeto Mangabeira, as outras associações ficam enfraquecidas e terá um efeito dominó.

As organizações de esquerda devem se envolver nessa luta e realizar uma ampla campanha contra o despejo das famílias do Projeto Mangabeira. É preciso denunciar essa política genocida da direita encampada pelo juiz Fernando Paropat que vai tirar o sustento e jogar essas pessoas na rua em meio à crise de coronavírus. A saída mais confiável para esse processo é mobilizar e organizar os trabalhadores da cidade para impedir a ordem de despejo emitida pelo Juiz seja efetiva.

Todo apoio as famílias do Projeto Mangabeira!

Não aos despejos!

 

Veja imagens do Projeto Mangabeira:

 

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas