Violência contra os índios
Juiz bolsonarista quer expulsar índios Pataxó em Prado, na Bahia
Decisão da justiça golpista deu aval para reintegração de posse contra os índios Pataxós da Bahia
_MG_1299
Violência contra os índios
Juiz bolsonarista quer expulsar índios Pataxó em Prado, na Bahia
Decisão da justiça golpista deu aval para reintegração de posse contra os índios Pataxós da Bahia
Índios Pataxó.
_MG_1299
Índios Pataxó.

A comunidade indígena Cahy, localizada na Terra Indígena Comuruxatibá na Bahia, do povo Pataxó, está sob ameaça de uma reintegração de posse levada a diante pela justiça golpista. O juiz Guilherme Bacelar confirmou a sentença de mérito do processo de reintegração de posse da área no último dia 10 de setembro, o qual havia sido barrado pelo Supremo Tribunal Federal em 2017.

A Terra Indígena, dividida em 14 aldeias, é composta por mais de 15 mil indígenas. A ameaça de reintegração de posse não é primeira contra os índios. Desde 2015, a comunidade indígena Pataxó vêm sendo ameaçada pelos interesses da especulação imobiliária. A Terra Indígena do povo Pataxó fica localizada na região da Mata Atlântica, a riqueza natural do local, como as praias, atraem o interesse dos vampiros do setor imobiliário.

A ação contra os índios sempre foram violentas. Em 2015, por exemplo, um grupo armado invadiu a comunidade Cahy e queimaram uma maloca indígena que continham pertences do índios. Logo em seguida, os índios foram atacados a tiros em outra ofensiva dos pistoleiros.

Em 2016, em mais uma reintegração de posse, os índios tiveram suas casas, escolas e postos de saúde derrubados por tratores. No caso em questão, a reintegração de posse foi acompanhada por mais de 100 policiais federais, civis e militares.

Trata-se de uma área tradicional dos índios Pataxó. Nos últimos anos, com o avanço da especulação imobiliária, o assédio contra os índios somente aumentou. O que ficou demonstrado na decisão do juiz federal favorável a reintegração de posse, mesmo o STF tendo já realizado julgamento contrário a reintegração.

É preciso mobilizar os índios contra a reintegração de posse promovida pela justiça golpista, organizar os comitês de autodefesa nas comunidades para reagir as investidas dos empresários e seus lacaios. Mobilizar todas as comunidades indígenas do país, em conjunto com os outros setores populares, pela derrubada do governo Bolsonaro. Fora Bolsonaro!