Ataques à juventude
No estado do Espírito Santo, apesar da alta contaminação da juventude, não há campanha de conscientização ou condições de trabalho e estudo, só uma campanha de ataques à juventude
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
jovem aprendiz
Jovens trabalhando. | Foto: RIOSOLIDARIO

O contágio dos jovens pelo novo Coronavírus é alto no Espírito Santo, assim como é em grande parte do País. Embora a média de idade dos contaminados seja de 29 anos, idade de uma juventude trabalhadora e economicamente ativa, as medidas para assegurar a segurança do trabalho são escassas, como ressalta o Sinpro-ES.

A suposta preocupação da imprensa, da justiça e das empresas sobre o contágio, nada é efetivamente feito e a reabertura do comércio, da indústria e demais setores é total.

Apesar do recurso feito à justiça do estado feita pelo Sindicato dos Professores do estado para tentar parar a volta às aulas, em apenas cinco dias, o Sinepe, sindicato patronal das escolas privadas do estado conseguiu junto à procuradoria do estado a revogação e a autorização para reabertura de todos os níveis de ensino da rede privada.

A argumentação seria de que os jovens estão se contaminando por conta do desrespeito às regras de isolamento social e cuidado sanitário, porém, nenhuma grande campanha de esclarecimento foi feita para ressaltar e afirmar as necessidades básicas para evitar o contágio, muito menos foram dadas condições financeiras de trabalho e de estudo aos jovens trabalhadores.

Nesse sentido, a questão da volta às aulas é uma intensificação dessa política assassina de sacrificar os jovens sobre o pretexto de que não se pode controlá-los. Desconsidera-se então o “clima de normalidade” que foi massivamente difundida pela imprensa capitalista desde as primeiras tentativas de reabertura na pandemia. Trata-se de uma grande campanha de culpabilização da juventude e do seu estilo vida apoiada na visão conservadora da sociedade e que é reproduzida pela direita contra os jovens.

Para demonstrar a preocupação da direita com a juventude, em plena alta de contágios, pretende-se reabrir todos os níveis da educação privada que, como bem sabemos, antecede a abertura irrestrita de todas as escolas, e com isso, o aumento de contágios da juventude e da população em geral. Esta é a receita de bolo da direita em todos os lugares e que mais cedo ou mais tarde se concretiza.

É claro que, à exemplo da educação privada, todas as condições de funcionamento na pandemia são vagas. Não há grande fiscalização e a própria celeridade do processo de liberação denota a fraude das supostas condições adequadas de trabalho. Estes são os principais motivos para a contaminação da juventude trabalhadora e da sociedade em geral.

É preciso denunciar as condições insalubres de trabalho em meio à pandemia que afetam a juventude trabalhadora e organizar a luta por melhores condições de trabalho, e se possível, para que se possa cumprir o isolamento social e seguir às orientações de saúde e higiene sem que isto afete as condições de vida. Também é preciso lutar contra o avanço da reabertura das escolas e universidades e contra a campanha promovida pela direita contra a juventude, volta às aulas só com a vacina.

Precisamos dispor de todos os meios para fazer avançar as reivindicações dos trabalhadores jovens e da juventude em geral na luta contra direita.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas