Ataque aos direitos da mulher
Uma jovem de 23 anos foi autuada por infanticídio, após realizar um aborto no último domingo no hospital da cidade de Janiópolis-PR.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
aborto
Mulheres estão presas á justiça e a moral religiosa em suas decisões. |

Está internada no hospital da cidade de Campo Mourão/PR, uma jovem de 23 anos que foi autuada por infanticídio, após realizar um aborto no último domingo no hospital da cidade de Janiópolis-PR. A jovem confessou o “crime”, e as circunstâncias ao qual o mesmo aconteceu mostram o desespero da jovem diante da situação. A mulher teria realizado o parto do feto dentro do hospital e o deixado no lixo do banheiro. Ainda não se sabe se o feto nasceu vivo ou morto, mas a jovem já foi indiciada pela polícia por infanticídio, e pode ficar presa de 2 a 6 anos de prisão. 

Mais uma vez, a direita coloca em último lugar quais os motivos e por que a mulher decidiu fazer uma escolha aparentemente tão desesperada, sem amparo algum, e ainda por cima além de todos os traumas, a mulher ainda sai criminalizada e pode até ficar reclusa, carregando mais traumas psicológicos e sem receber nenhum auxílio quanto a isso. Mais uma demonstração que a mulher não tem direito nenhum de escolha e por muitas vezes pode ser criminalizada por suas decisões. 

A jovem, após confessar o ocorrido, passou mal e levada ao hospital de Campo Mourão. Além disso, a mesma afirmou que não estava fazendo uso de remédios abortivos. 

Quando a sociedade controlada pelos conservadores se depara com esse tipo de situação, a primeira coisa que é colocada como importante é apenas o nascimento do feto ou a sua morte. Em nenhum momento alguém se pergunta do por que a jovem tomou tal atitude, quais seus estados psicológicos, econômicos e se essa era mesmo a sua vontade.

Além disso, diariamente, a mulher precisa lidar com hipócritas como por exemplo a declaração de Ciro Gomes no programa Roda Viva, em que classificou a questão do aborto como identitária e secundária, e que nenhuma mulher no Brasil era presa ou condenada por realizar aborto, o que podemos ver com vários e vários casos que é claramente o contrário, inclusive esse da jovem de Janiópolis. A falsa moralidade e a política repressora da direita é mais clara no caso da jovem quando é destacado que a mesma faz parte de uma família tradicional diretamente ligada a Igreja Católica no município. 

A questão do direito ao aborto é algo que deve ser colocado como reivindicação primária na sociedade, pois ela é uma forma de emancipação da mulher, que deve ter o direito de escolha sobre a maternidade e tudo aquilo que nela se implica como questões financeiras e psicológicas. Para tanto, parte fundamental desta campanha é a luta pelo fora Bolsonaro, contra a direita golpista. 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas