Racismo e tortura
A cena é absurda e mostra que apesar de toda a campanha da direita para omitir o racismo, as marcas e práticas da escravidão no Brasil permeiam todas as relações no país até hoje.
xreproducao-de-video-de-jovem-torturado.jpg.pagespeed.ic.IeuB-j4FRJ
Foto extraída dos vídeos que circula nas redes sociais. Autoria desconhecida. |

Nesta terça (3), circulou nas redes sociais um vídeo onde um jovem negro nu é chicoteado e ameaçado de morte seguidas vezes por seguranças de um supermercado. O fato ocorreu em julho, no supermercado Ricoy, na avenida Yervant Kissijikian – Vila Missionária, zona sul de São Paulo. Os seguranças estariam punindo o garoto (17 anos) supostamente por ele ter “roubado” um chocolate.

Segundo o delegado: “Ali (num quarto no fundo da loja, onde o vídeo foi gravado] a vítima foi despida, amordaçada, amarrada e passou a ser torturada com um chicote de fios elétricos trançados. Permaneceu por cerca de 40 minutos, sendo agredido o tempo todo”, afirmou o delegado Pedro Luís de Sousa, do 80º DP (Distrito Policial), localizado na Vila Joaniza.

A cena é absurda e mostra que apesar de toda a campanha da direita para omitir o racismo, as marcas e práticas da escravidão no Brasil permeiam todas as relações no país até hoje. É preciso denunciar e combater energicamente a direita através da organização de todos os explorados (sobretudo a juventude negra), uma vez que a lei – que prevê o crime de tortura como hediondo no Brasil, com penas entre 2 a 8 anos de prisão – e as autoridades que deveriam cumpri-las são parte do regime de exploração, do racismo e da tortura contra os oprimidos.

Relacionadas