Soberania ameaçada
Jornal americano revela o que o governo da Venezuela já sabia: A ligação da oposição com os mercenários que pretendiam um golpe de Estado e o assassinato de Maduro.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
gideon
Imagem: reprodução | Foto: Imprensa Presidencial - Governo da Venezuela

O jornal estadunidense The Wall Street Journal revelou nesta sexta-feira (26/06) que, Leopoldo López, foragido da justiça venezuelana, dedicou-se por meses à tarefa de contratar mercenários a fim de derrubar o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Segundo apurou o jornal, López considerou pelo menos seis propostas diferentes, nas quais os mercenários deveriam executar incursões militares com a finalidade de desestabilizar e, se possível, provocar uma rebelião dentro das Forças Armadas Nacionais Bolivarianas (FANB).

Dentre os mercenários contratados por López está um dos envolvidos no ataque de 3 de maio. Neste ataque, participaram dois ex-boinas verdes do exército dos EUA, que declararam pertencer à segurança do presidente Donald Trump.

Jorge Rodríguez, Ministro da Comunicação e Informação da Venezuela, apresentou áudios em maio, que comprovavam os vínculos de Leopoldo López com os mercenários e os desertores que participaram da Operação Gideón, que pretendia assassinar o Presidente Maduro.

Em meados de maio, o Governo Nacional denunciou os vínculos entre López com os mercenários e os desertores que participaram da Operação Gideón, que pretendia o assassinato do Presidente da República, Nicolás Maduro. Nos áudios, o desertor Clíver Alcalá afirmou que “o povo de Leopoldo” o apresentou a Jordan Goudreau, proprietário da empresa Silvercorp, envolvida na tentativa de golpe.
A operação Gideon, segundo a mídia dos EUA, findou com 8 mercenários mortos. Para o governo da Venezuela, no entanto, foram 57 presos dos 62 mercenários envolvidos na tentativa de golpe e assassinato.

A notícia do The Wall Street Journal repercutiu entre os associados de Lopéz e do “presidente auto proclamado”, Juan Guiadó, que acusam Caracas de manobras. Para o jornal, a operação fracassada levou muitos diplomatas a questionar seu apoio a Guaidó. Um diplomata europeu teria dito: “Guaidó comprometeu suas credenciais democráticas, dá a impressão de que ele está tentando montar dois cavalos, um por meio de negociação e outro por meio do golpe”, revelou o jornal.

A rede de ligações entre a oposição venezuelana, mercenários estadunidense e o governo dos EUA, e seu envolvimento na operação fracassada que pretendia um golpe de Estado e o assassinato do mandatário da Venezuela, além das recentes movimentações militares dos EUA no mar do Caribe e em território Colombiano, revelam que o intervencionismo criminoso do imperialismo americano, que pode agredir a soberania do povo venezuelano em plena pandemia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas