Abaixo a censura contra o PCO
Em Recife conglomerado capitalista da comunicação e do mercado censura e ataca abertamente o Partido da Causa Operária e o companheiro Victor Assis candidato à prefeito pelo PCO
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Victor Assis
Companheiro Victor Assis em Conferência Nacional do Partido da Causa Operária | DCO

A perseguição contra o companheiro Victor Assis, candidato a prefeito pelo PCO e ao próprio partido continua em Recife.

A burguesia pernambucana não para um só minuto com seus ataques, calúnias e censura ao Partido da Causa Operária. É imperioso para a burguesia nas grandes capitais do país apontar sua artilharia para aquele que é o partido da luta contra o golpe e do “Fora Bolsonaro” e nessa tarefa o Jornal do Comércio tem tomado a frente na barricada. Depois de acusarem o PCO na capital pernambucana até mesmo pelos crimes que os outros partidos cometeram, como ocorreu há duas semanas. Quando Victor Assis apresentou o programa do PCO para as eleições em debate realizado pelo jornal, explicitando o programa revolucionário de um partido operário para a atual etapa de crise econômica e crise sanitária, mostrando que as necessidades da população de Recife, assim como do país passam por necessidades que extrapolam os limites municipais, o Jornal do Comercio resolveu tratar o representante da direita, o bolsonarista Marco Aurélio como um candidato “responsável”, compromissado com a construção de creches, e Victor Assis como um candidato “sem propostas”. Tal ataque demonstra claramente a linha do Jornal do Commercio, o de apoio descarado ao fascismo na cidade. Uma mentira escandalosa, pois o PCO é o único partido com uma proposta concreta para os trabalhadores: a mobilização revolucionária em torno de seus próprios interesses.

Continuando em sua censura descarada ao PCO a emissora de rádio que vinha atacando a candidatura do PCO, ligada ao grupo JCPM decidiu apagar o vídeo completo das sabatinas do dia 28 de outubro, apagando, portanto, o vídeo da entrevista de Victor Assis. Além disso, a gravação em áudio da entrevista também sumiu “misteriosamente” do portal da rádio na internet. Cabe destacar de onde vem o grupo JCPM. É um grupo empresarial e conglomerado de mídia brasileiro com sede no Recife, capital de Pernambuco, criador da rede de supermercados e hipermercados Bompreço (que atualmente pertence ao Grupo BIG), bem como o cartão de crédito Hipercard (hoje controlado pelo grupo Itaú Unibanco), o grupo controla uma grande cadeia de Shopping Centers em Pernambuco (Shopping Recife, RioMar Shopping, Plaza Shopping Casa Forte, Shopping Tacaruna, estes em Recife, o Shopping Guararapes em Jaboatão dos Guararapes  e em todo o nordeste(Ceará, Sergipe e Bahia).

Em uma outra matéria caluniosa, mantendo os ataques regulares do Jornal Bolsonarista, o Jornal do Commercio enfatiza em título da matéria, que o candidato do PCO é “O candidato à prefeitura do Recife que não é candidato à prefeitura do Recife”.

No mais recente ataque ao Partido da causa Operária em Recife, simplesmente excluíram o companheiro Victor Assis da matéria vinculada no último dia 30 de outubro, anunciando que Recife tem dez candidatos, quando na verdade tem 11. Decidiram tirar o candidato do PCO apenas porque um juiz indeferiu a candidatura, o que não é de se duvidar de interferências alheias à justiça, visto tamanha perseguição ao PCO, mas o Partido está recorrendo e a candidatura permanece legítima. A matéria em questão anunciava quanto os candidatos à prefeitura do Recife teriam gasto com publicidade no facebook, fato este que por si só mostra a enorme disparidade entre os partidos burgueses e àqueles ligados aos trabalhadores.

Enquanto excluem a candidatura operária de Victor Assis, anunciam que os candidatos burgueses Mendonça Filho(DEM) e João Caetano(PSB) gastaram somente com o facebook, 67 mil e 55 mil reais respectivamente, seguido de longe por Marília Arraes do PT com 25 mil reais de investimento na plataforma.

O ataque do grupo JCPM é um claro ataque ao Partido que mais decididamente no país, se colocou contra toda a maquinação política que envolveu os partidos da direita, os grandes capitalistas do país, seus meios de comunicação, a justiça e o próprio imperialismo. O ataque ao PCO visa calar a luta contra o golpe de Estado, a luta pelo Fora Bolsonaro e a luta por construir como única candidatura dos trabalhadores e de suas organizações de esquerda para 2022, a candidatura de Luis Inácio Lula da Silva para presidente, como único com poder de reunir a força da classe trabalhadora para derrotar o golpe de Estado.

Neste sentido também é fundamental o apoio de todos àqueles que lutam contra o golpe, que lutam contra o governo Bolsonaro para impulsionar uma verdadeira imprensa operária no país, seja ela impressa, como é o caso do Jornal causa Operária ou o Diário Causa Operária que já chega a quase 90 mil inscritos e precisamos chegar aos 100 mil inscritos na plataforma do Youtube parta darmos um salto nesta luta e chegarmos a milhões de trabalhadores no país, impulsionando os a lutar contra a burguesia e seus governos que jogam no fundo do poço as condições de vida da classe trabalhadora brasileira.

Não é à toa, portanto, que o grupo JCPM tirou o Partido do ar. É preciso que todas as organizações de esquerda e os setores democráticos denunciem a censura do grupo JCPM ao PCO e a ditadura da burguesia nas eleições.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas