Caso Robinho
O PCO se posicionou sobre o caso e apenas pontuou algo que já deveria ser tradição na esquerda: é preciso defender os direitos democráticos
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Jones-Manoel-Caetano-Veloso-1280x720
Jones e seu padrinho, o cantor frente-amplista, Caetano Veloso. | Foto: Reprodução

Na última terça-feira (20), o youtuber, Jones Manoel foi às suas redes sociais para atacar novamente o PCO (Partido da Causa Operária), agora por conta do seu posicionamento em relação ao caso Robinho. O jogador foi acusado de violência sexual pela justiça penal italiana contra uma mulher de origem albanesa em 2013. O jogador foi condenado deste crime em novembro de 2017, cabendo recurso para mais três instâncias, enquanto isso, Robinho segue em liberdade, como é da tradição do direito civilizado, ainda que burguês. Recém retornado ao Brasil, Robinho assinou contrato com o Santos Futebol Clube e o assunto ressurgiu. Após uma grande pressão da imprensa capitalista e de empresários patrocinadores do clube, principalmente da Rede Globo, que chegou a apresentar áudios de escutas policiais que indicariam culpa do jogador. Após isso e um ultimato de empresas patrocinadoras do Clube, contrato suspenso entre as partes.
Onde entra a polêmica? O PCO se posicionou sobre o caso e apenas pontuou algo que já deveria ser tradição na esquerda: que não é papel da imprensa, empresas e entidades perseguir os criminosos fora daquilo que está previsto em lei, que devem ser respeitados os direitos da presunção de inocência, do trânsito em julgado, ou seja, a ideia de que todos são inocentes, aos olhos do Estado, até que seja provado culpado em todas as instâncias de apelação possíveis e, ainda, que que a pena deve ser sempre proporcional ao fato.
No entanto, na visão do pequeno-burguês embrutecido e tornado histérico pela imprensa capitalista, os direitos democráticos devem dar lugar à inquisição. Vejamos uma colocação característica deste gênero social:

“O PCO escreveu um texto bizarro, mentiroso e misógino defendendo Robinho. Um negócio na raia do inacreditável até para o PCO.
Eu já disse e repito: não tem graça, não é engraçado. Esses caras estão, abertamente, construindo uma cultura política delirante baseado num ultraconservadorismo com aparência e roupagem de esquerda, “marxista”.
Repito: não é engraçado. É uma desgraça. É uma vergonha para toda esquerda!”

Em primeiro lugar, é preciso apontar a completa má-fé do nosso crítico. Não estamos defendendo Robinho. Estamos defendendo um princípio legal e política que deve ser aplicado a todos.

A publicação de Jones Manoel crítica texto publicado na última segunda-feira (19), onde apontamos o óbvio: dar aos Sérgios Moro do mundo o poder de colocar as pessoas na cadeia sem o devido processo legal, é errado, e contraproducente para quem quer libertar o povo oprimido, mais ainda, é acompanhar as campanhas persecutórias da imprensa reacionária e da burguesia, vejamos um pouco do texto:

“Mas é preciso alertar que a esquerda pequeno-burguesa se anima com o processo inquisitorial, que defende que é preciso penas duras imediatamente. Como se isso fosse, em alguma vez na história da humanidade, promover a libertação das mulheres, que o sistema penal, justamente o sistema penal, fosse acabar com a opressão que a mulheres sofrem no sistema capitalista.

A moda da esquerda, e isso faz algum tempo, é passar procuração para o estado, controlado pela burguesia, para que ele promova as mudanças sociais, para que o negro, a mulher, e os outros setores oprimidos consigam ser absorvidos pelo regime.

Essa parcela da esquerda que pede penas, prisão, etc, promove uma incoerência política profunda. Essas questões de punições não modificam a sociedade e não melhoram a situação de ninguém. Esse método não libertará ninguém. A mulher, assim como os demais setores oprimidos da sociedade, não serão libertados pela PM, por juízes ou pelo sistema carcerário brasileiro. Qualquer apoio dado a esse sistema repressivo, desumano, caminha no sentido oposto da libertação das pessoas.”

Você, esquerdista, defende bandido

Colocado lado a lado, parece que Jones nem leu o texto. Mas leu, a histeria, e uma boa dose de má fé, parecem impedir uma avaliação fria do escrito. O que acontece é um caso clássico de uma classe média que não consegue desenvolver um pensamento crítico e independente da burguesia, sua imprensa e seus acadêmicos.
A burguesia promove uma campanha de destruição da imagem do criminoso, culpado ou inocente, e do nada, como se voltássemos aos tribunais de Tomás de Torquemada, defender que o Estado seja humano, que ele siga a lei, se torna defender o crime cometido. Essa é a ideia típica dos fascistas que acham que o criminoso não tem direitos, ou na boa linguagem bolsonarista: “direitos humanos para humanos direitos”. Para impor essa mentalidade que é comum à burguesia liberal e à sua ala mais carniceira, eles criam os precedentes com os casos mais fáceis. Um jogador de futebol, rico, ignorante e com comentários odiosos, num crime contra uma mulher indefesa.
Mas o que pedem Jones e os outros da esquerda histérica? Não falam abertamente, mas vamos esclarecer: que o jogador criminoso seja banido do futebol (ideia levantada pela Globo), que seja preso agora, que seja punido severamente.
Este não é nosso método, não é o método dos oprimidos. Defendemos que o estuprador pobre, não o jogador de futebol, não consiga emprego por seu passado? Defendemos que um lixeiro que assassinou sua esposa seja preso antes do fim dos seus recursos? Viramos bolsonaristas?
O direito é universal ou não é. O direito se não valer ao rico, ao poderoso, à figura pública, não valerá ao pobre. Vejamos o caso de Lula. A decisão de permitir a prisão antes do fim dos recursos foi feita para prendê-lo, na esteira da sua prisão, milhares começaram a ser encarcerados, tornou-se regra no judiciário. Os jones manuéis da época defenderam ficha limpa, mais poder para os procuradores fascistas como Dalagnol etc. A histeria de perseguição tomou conta de uma parte da esquerda que foi um dos pilares do golpe. O movimento Lula Livre pôs um freio a isso, reverteu o princípio, e junto com Lula restituímos um direito fundamental ao povo brasileiro.
Robinho não é criminoso político, é acusado de um crime comum. Não tem condenação definitiva, é, para todos, os efeitos, até o fim do processo, um homem inocente. Se condenado devemos então exigir pena justa, humana e todos os direitos que cabem a um homem condenado por este ou qualquer outro crime. Não somos bolsonaristas para pedir “punição exemplar” ou a destruição do criminoso. Para um socialista, a punição em si não é remédio para os males criados pela sociedade dominada pela exploração e pela opressão e o criminoso é tão vítima da sociedade como a própria vítima.
Nesse sentido, a famosa frase da direita: “vocês, esquerdistas, defendem bandidos” quando estamos defendendo os direitos democráticos do povo, nós a lançamos no lixo com total desprezo. A calúnia da direita contra a esquerda é usada agora por gente que se diz de esquerda.

Uma calúnia cômica

Jones Manoel nos chama de ultraconservadores misóginos, é até engraçado. Mas ao invés de divagar sobre o absurdo, passaremos a palavra a uma ultraconservadora e jurada inimiga das mulheres, a ministra Damares Alves:

“Cadeia imediatamente, não tenho outra palavra para falar. Ainda cabe recurso, mas o vazamento dos áudios, gente. Querem mais o quê? Cadeia. Nenhum estuprador pode ser aplaudido. O cara quer voltar para o campo para posar como herói”. O clube já reviu, e parabéns ao Santos por ter rescindido. Eu sei que ainda cabe recurso, mas acho que está muito claro. O vazamento dos áudios está muito claro, a forma como isso chegou para nós”

“Esse é um crime que não merece nenhuma consideração ao abusador, ao estuprador. A gente não tem que fazer concessão com esse tipo de crime. Tem que cumprir a pena que é estabelecida, ou lá ou aqui, imediatamente”

Como militantes da classe operária sabemos que todo direito e garantia é pouco, que toda punição por parte do Estado tem de ser regulada e contida, contra quem quer que seja. Se a esquerda quer fazer um indiciamento moral do jogador que se abstenha de usar o Judiciário para este fim. Neste debate Jones Manoel é um centrista, que não quer assumir a posição coerente no campo que está defendendo, este papel cabe à ministra de Bolsonaro, pois a política sendo defendida por este setores é a de Bolsonaro: o aumento desenfreado da repressão e da retirada de direitos, garantia e liberdades. Nisso, como em tudo, estamos do outro lado da trincheira.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas