Segunda Onda
A política neoliberal levada pelo governo direitista da Itália já mostra seu resultado: um aprofundamento da crise econômica do país a ponto de jogar a população à miséria
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Matarella
A crise econômica italiana é consequência direta da política direitista levada pelo governo | Foto: Reprodução

Com o surgimento do novo coronavírus no continente asiático e sua consequente proliferação para demais regiões, o mundo se viu em meio a uma das maiores pandemias já vistas em todos os tempos. O continente europeu, um dos primeiros a sofrer com os impactos da doença, foi retratado como um verdadeiro exemplo pela imprensa burguesa, que sempre procurava destacar o fato de que, enquanto outros países continuavam na miséria, os europeus já reabriam as portas de suas escolas, restaurantes, e demais estabelecimentos comerciais. Todavia, o que a grande imprensa não previu foi uma segunda onda de infecções que, neste momento, coloca todo o sistema econômico do imperialismo em xeque.

Um caso particularmente escabroso que logo no começo da pandemia foi motivo de alarde à comunidade internacional é o da Itália. Foi um dos primeiros países a registrar taxas de morte verdadeiramente altas – taxas estas que, se comparadas às do Brasil, representam muito pouco. Por mais que tenha conseguido amenizar os estragos do coronavírus, o País, seguindo a tendência de seus vizinhos, já registra nova alta nos casos da doença: o total de internados com sintomas subiu de 3.097 (em 1º de outubro) para 23.256 na quinta (5). A ocupação na terapia intensiva, de 291 para 2.391 pacientes, e as mortes diárias, de 24 para 445. Entretanto, agora, a crise econômica se coloca como fator ainda mais agravante, instaurando fome e miséria sobre a população italiana.

O governo italiano afirmou estar extremamente preocupado com a população durante este período de crise, propagandeando uma intensa batalha contra o coronavírus e contra a recessão econômica, principalmente por meio de auxílios. Todavia, não podemos nos esquecer que o governo direitista da Itália representa unicamente os interesses da burguesia e, como era de se esperar, o dinheiro que destinou à solução da crise foi para os grandes capitalistas, e não para a população. Agora, um relatório da Cáritas Italiana deixa bem claro o que uma política neoliberal, quando aplicada no tempo certo (o de crise), faz com o povo.

Do total de 44,8 mil pessoas acompanhadas pela instituição de caridade entre maio e setembro, 45% estavam pedindo ajuda pela primeira vez, um aumento de 14 pontos percentuais quando analisado o mesmo período do ano passado. Ademais, segundo a Cáritas Ambrosiana, que atua nas dioceses de Milão e cidades do entorno, atualmente 8,4 mil pessoas estão aptas a usar o serviço ofertado pelo órgão, 61% a mais do que no período pré-emergência sanitária. A situação populariza, inclusive, um termo específico para designar a nova onda de pessoas em situação precária, são os chamados “novos pobres”.

O fato é que, por mais que a imprensa burguesa procure esconder, a administração de países como a Itália e, em geral, dos países imperialistas, no que diz respeito ao combate contra o coronavírus foi e continua sendo extremamente ineficiente. E não é preciso especular isso no momento em que os números de mortos em decorrência da doença já atingem 1.250.000 ao redor de todo o mundo, com concentração nos Estados Unidos e na Europa. Ou seja, enquanto nações atrasadas como Cuba, Venezuela, Coreia do Norte e Vietnam registram menos de 1.100 casos no total, os principais representantes da política imperialista promovem uma verdadeira chacina, deixando registrado, na história, a ineficiência do capitalismo em seu atual estágio.

Finalmente, o capitalismo cai aos pedaços a cada dia que passa, e a crise pela qual estamos passando agora é, antes de tudo, reflexo disso. Afinal de contas, os países mais desenvolvidos não foram capazes de aguentar absolutamente nenhum aspecto do desafio que o novo coronavírus representa, resultando em uma das maiores crises já vistas em todas a história do capitalismo. No final, a crise engendrada pelo coronavírus é política, no sentido de que sua magnitude se resume em uma escolha muito simples: resgatar os grandes capitalistas ou ajudar a classe operária. E, ao redor do mundo, a maioria dos países escolheu a primeira opção, colocando os trabalhadores à mercê de suas próprias sortes.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas