Ditadura
As Forças Armadas foram pilar fundamental do golpe de Estado de 2016 e da fraude eleitoral de 2018. Diante da crise, os militares ameaçam com banho de sangue novamente.
23/08/2019. Credito: Ed Alves/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. Politica. Cerimonia Dia do Soldado. Presenca do Presidente Jair Bolsonaro com o comandante do Exercito Leal Pujol. Local. Setor Militar Urbano de Brasilia.
Ameaças de golpe de Estado, torturas e assassinatos são frequentes por parte das Forças Armadas | Ed Alves/CB/D.A Press | Credit: Ed Alves/CB/D.A Press
23/08/2019. Credito: Ed Alves/CB/D.A. Press. Brasil. Brasilia - DF. Politica. Cerimonia Dia do Soldado. Presenca do Presidente Jair Bolsonaro com o comandante do Exercito Leal Pujol. Local. Setor Militar Urbano de Brasilia.
Ameaças de golpe de Estado, torturas e assassinatos são frequentes por parte das Forças Armadas | Ed Alves/CB/D.A Press | Credit: Ed Alves/CB/D.A Press

Na manhã desta segunda-feira (18), o presidente fascista Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) afirmou aos seus apoiadores  na saída do Palácio do Alvorada que “quem decide se o povo vai viver em uma ditadura ou democracia são as Forças Armadas”. Na sequencia, falou que “temos liberdade ainda”,  mas que “tudo pode mudar” se a população não reconhecer o valor dos militares.

As afirmações de Bolsonaro são uma clara referência a uma possibilidade de um golpe militar no país, caso a população tome as ruas para protestar contra o massacre da pandemia, que já causou 210 mil mortes, o aprofundamento da miséria e do desemprego. Atualmente, mais de 6.000 militares da ativa e da reserva das Forças Armadas (Exército, Marinha e Aeronáutica) ocupam postos civis em todos os escalões do governo federal.

Bolsonaro tem se aproximado das Polícias Militares e nomeou comandantes da Polícia Militar de São Paulo, uma das instituições mais sanguinárias e fascistas do aparato repressivo, para a direção de empresas estatais. Os bolsonaristas apoiam o projeto de conceder autonomia às polícias Militar e Civil, o que as tornaria ainda mais avessas a qualquer tipo de controle social e prestação de contas dos seus atos à sociedade.

As Forças Armadas são um dos pilares de organização do golpe de Estado de 2016 e tiveram papel de relevo na fraude eleitoral de 2018, que se materializou na prisão do ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, primeiro colocado nas pesquisas e candidato a vencer as eleições no primeiro turno. Na época da discussão do habeas corpus do Lula no Supremo Tribunal Federal, os militares ameaçaram o país, dizendo que se Lula fosse solto, promoveriam um banho de sangue pior do que 1964.

As Forças Armadas treinam diariamente para, caso o regime burguês seja questionado pelas massas populares nas ruas, estejam aptas a assassinar, prender e torturar, tal como aprenderam no período da ditadura militar.

 

 

Relacionadas
Send this to a friend