Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
colniza
|

Da redação – Na manhã do último sábado (05), jagunços pagos por um latifundiário de extrema-direita mataram um trabalhador sem terra e feriram outros nove na cidade de Colniza, Mato Grosso.

Elizeu Queres de Jesus morreu ainda no local, a Fazenda Agropecuária Bauru, pertencente ao ex-deputado José Riva (ex-PSD) e ao ex-governador Silval Barbosa (MDB).

Um dos jagunços, todos funcionários da empresa Unifort Segurança Patrimonial, justificou o assassinato dizendo-se inspirado no fascista Jair Bolsonaro, colocado no poder pela fraude eleitoral.

“A fazenda é do Riva, houve invasão dos sem-terra, que agora não é mais sem-terra. Segundo Bolsonaro são bandidos… morreram dois bandidos e cinco baleados, estão no hospital”, disse o chefe dos jagunços fascistas, João Benedito da Silva Neto.

A Polícia Judiciária Civil, que fez autuação em flagrante de quatros dos jagunços desmentiu as alegações dos assassinos de que os sem terra portavam armas e que houve troca de tiros. “Os elementos de informação produzidos pela perícia, até o momento, nos levam a acreditar que não houve confronto armado, pois só foram encontradas cápsulas de armas de mesmo calibre dos seguranças da propriedade”, disse o delegado Alexandre da Silva Nazareth.

A chegada de Bolsonaro ao governo atende diretamente aos interesses dos latifundiários, um dos grupos que o promoveu. Ao longo de toda a sua trajetória como político, o fascista atacou sem terra e, durante a campanha eleitoral, ele falou que irá considerar terrorismo a invasão de propriedades, criminalizando oficialmente organizações como o MST.

O aumento da violência e do massacre contra os trabalhadores rurais é reflexo do aprofundamento da política golpista que, com a extrema-direita no poder, leva a todos os setores exploradores a se sentirem a vontade para reprimir e esmagar os explorados.

Os trabalhadores sem terra, com o apoio do proletariado urbano, devem levar adiante uma luta em defesa de suas reivindicações, uma luta concreta organizada, de resistência real e pelos meios que sejam necessários para impedir que novos casos aconteçam. O movimento popular deve prestar total apoio aos sem terra e a suas ações de ocupação e se juntar ao combate contra os latifundiários e seus jagunços fascistas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas