Jaques Wagner é um dos principais responsáveis pela capitulação e sabotagem da campanha eleitoral do PT

ACM-Neto-e-Jaques-Wagner

Conforme a campanha do PT avança no segundo turno, cada vez mais fica mais claro que havia um setor de direita dentro do PT querendo abandonar a luta contra o golpe, e abandonar Lula preso em Curitiba.

Um dos principais responsáveis pelo fortalecimento da direitização da campanha do PT no segundo turno é o petista baiano Jaques Wagner, ex-governador da Bahia e eleito senador nas eleições fraudadas de 2018, que por isso recebeu o poder de coordenar no segundo turno a campanha eleitoral presidencial de Fernando Haddad.

Jaques Wagner é defensor da campanha de tirar o vermelho da campanha e substituir pelo verde amarelo, também foi dele a frase de que Haddad deveria ser ele mesmo e deixar de citar lula na campanha, apesar de que os votos dados a Haddad são todos de Lula.

Mostrando que era um dos idealizadores do plano “B”, de abandonar Lula, buscar uma conciliação com os golpistas, Jaques Wagner anunciou nessa segunda (15/10), que o abutre Ciro Gomes do PDT é que deveria estar disputando a eleição no segundo turno contra Bolsonaro.

É por causa dessa política capituladora na campanha de Haddad, coordenada por Jaques Wagner, que o irmão de Ciro Gomes, Cid Gomes, teve a “cara de pau” de ir em uma plenária de militantes do PT e usar o mesmo argumento golpista da Rede Globo, dizendo que o Pt teria que fazer mea culpa, pedir desculpas para os brasileiros. Um verdadeiro “amigo da onça”.

Jaques Wagner e outros capituladores dentro do PT está levando o partido a se desmoralizar no segundo turno, abandonando as lutas dos trabalhadores, como a luta contra o golpe, liberdade para Lula, Assembleia Constituinte etc, para se aproximar das posições golpistas do PSDB, que no final só servirá para destruir o partido.