Polêmica
Jacques Wagner critica Lula e defende um “diálogo” com as forças políticas que constituem o “campo progressista”
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Jacques Wagner (BA) e Fernando Haddad (SP), líderes da ala direita na campanha eleitoral.
Wagner e Haddad = foto reprodução |

O senador petista Jacques Wagner declarou em entrevista à Radio Metrópole que discorda do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que assinalou que o Partido dos Trabalhadores deve construir sua intervenção política sem esperar os apoios de Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede).

Para o ex- governador da Bahia, é preciso fomentar um “diálogo” com as forças políticas que constituem o “campo progressista”. Isso mesmo reconhecendo que tanto Marina Silva como Ciro Gomes atacam o PT reiteradas vezes.

“De uma certa forma, Marina disse que quem inventou fake news foi o PT. Ciro bate toda hora. Até entendo, não concordo com a fala. Primeiro que você nunca diz que não quer, deixa o outro dizer. Se o outro não quiser se juntar, não sou eu que vou chutar o cara” (https://www.metro1.com.br/noticias/politica/92316,wagner-discorda-de-lula-e-pede-dialogo-do-pt-com-ciro-e-marina?)

Dessa forma, Jacques Wagner afirma que é preciso “insistir” e que o PT não deve apresentar obstáculos, mas pelo contrário, deve fazer vista grossa em relação aos ataques e acusações que os possíveis “ aliados” possam proferir. “Marina disse que quem inventou fake news foi o PT. Ciro bate toda hora.”, mas o negócio é “ entender” os “ aliados”, que se comportam como adversários.

Mas por que a crítica de Wagner a fala de Lula? O que ela expressa? Do mesmo modo que outras figuras da direita do PT e do PCdoB, as afirmações de Jacques Wagner expressa a política de “ frente ampla”, que significa uma aliança com a burguesia em nome da construção de “ uma unidade” da oposição.

Enquanto figuras políticas como Marina, e mais ruidosamente Ciro Gomes buscam atacar o PT visando a constituição de bloco “ alternativo” , em uma operação de sequestro do capital eleitoral do PT, setores do próprio PT advogam a “ aliança” a qualquer custo.

As declarações do ex-presidente Lula em relação a Marina Silva e Ciro Gomes refletem a percepção da movimentação política de Ciro e Marina como tentativa de expropriação do capital político do PT. Por sua vez, as críticas de Wagner indicam que perdura a disputa política no interior do PT.

A direita do PT tem como política geral a capitulação diante da direita golpista, com a política de “virada da página do golpe”, lançada antes da consumação do impeachment de Dilma Rousseff. Ainda nas eleições de 2018, Rui Costa, governador da Bahia, defendeu a composição com Ciro Gomes, ainda no primeiro turno, sendo que a defesa de uma “frente ampla” agora nada mais é do que a continuidade dessa política de adaptação ao regime golpista.

A defesa da frente ampla pela direita do PT tende a liquidar o PT como uma força política minimamente relevante. No desenvolvimento da crise política do governo Bolsoanro, a burguesia golpista lançou suas fichas em todas as direções. Uma das mais importantes é o controle sobre a oposição institucional, para isso o bloco “alternativo” que o PDT, Rede, PSB e Cidadania estão constituídos é parte dessa operação. Neste cenário, a política de frente ampla nada mais é do que a liquidação até mesmo da esquerda parlamentar, e subordinação, inclusive eleitoralmente do PT à políticos burgueses como Ciro Gomes e Marina Silva.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas