Já se passaram quatro meses em que os patrões não negociam o reajuste salarial dos trabalhadores em frigoríficos

frigorifico

Os patrões dos trabalhadores nas indústrias de carne e frios no estado de São Paulo querem matar os trabalhadores e seus familiares de fome.

Já se passaram quatro meses e nenhuma solução foi dada quanto à assinatura da convenção coletiva de trabalho dos trabalhadores nas indústrias de carne e frios. A última negociação ocorreu, ainda, no final do mês de novembro, quando houve uma irrisória proposta de quatro por cento, apesar de os patrões terem aumentados seus produtos em mais de 10%.
Esses patrões financiaram o governo golpista e agora estão sendo ressarcidos, em primeiro lugar, com o engodo de que no país não há inflação, uma verdadeira manipulação e tentativa de enganar os trabalhadores que, não conseguem comprar praticamente nada das mercadorias que compravam anteriormente, isso sem contar as contas de aluguel, água, luz, etc.
Por outro lado, encerraram as negociações desde a última negociação em dezembro.

Para os patrões que vêm ganhando muito às custas do suor dos trabalhadores querem, na verdade, que os seus funcionários trabalhem de graça.
Na data base de 2017/2018, os trabalhadores (os que produzem toda a riqueza dos patrões), desde lá, recusaram a miséria de reajuste oferecida por esses sanguessugas, ávidos por aumentar o volume de dinheiro em suas contas bancárias.

Os trabalhadores exigem dos patrões a imediata reabertura das negociações

Essas são as propostas dos trabalhadores:
Salário mínimo de R$ 4.000,00, um salário que contemple as necessidades dos trabalhadores e de suas famílias.
– 39,50% de reposição de todas as perdas salariais, desde o governo Fernando Henrique Cardoso;
– 35 horas semanais sem redução nos salários;
– Cesta básica de 45 kgs para todos os trabalhadores e
– Convênio médico gratuito para o trabalhador e toda sua família
O Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Carne, Derivados e do Frio no Estado de São Paulo está realizando reuniões de convocação à assembleia que ocorrerá no próximo dia 13/03 (quarta-feira), nas portas de fabricas de todas as regiões, tais como: São Paulo (zonas norte, sul, leste e oeste) e, ABC, Osasco, Barueri.