bolsonaro itaipu

O governo Bolsonaro entrega em uma só tacada mais um gigantesco patrimônio brasileiro. Estamos falando da usina de Itaipu, hidroelétrica construída durante o regime militar, regime este que é defendido com unhas e dentes por Jair Bolsonaro. As informações são de Marcelo Zero, que publicou uma matéria no sítio progressista Brasil 247 com o título Itaipu: a perda de outro Pré-sal.

Nesta extensa matéria, Marcelo Zero apresenta alguns dados interessantes. Primeiramente que, durante muitos anos, os consumidores de energia elétrica, tanto no Brasil quanto no Paraguai, arcaram com os custos do financiamento da construção da usina. Assim, a tarifa de energia vinha sistematicamente acima do valor de custo de produção, durante décadas. Entretanto, o financiamento de Itaipu está prestes a ser quitado, o que em princípio ocorrerá em 2023, o que fará com que a empresa tenha um faturamento anual de dois bilhões de dólares, cerca de 8 bilhões de reais!

Ao invés de fazer com que este excedente retorne para a população, baixando drasticamente as tarifas de energia, a usina será privatizada, numa grande negociata envolvendo os governos capachos do Paraguai e do Brasil. Por causa disso, todo este lucro será apropriado por um punhado de capitalistas estrangeiros. Trata-se de mais um grande assalto ao povo brasileiro, ao povo paraguaio e ao povo latino-americano de conjunto, que Marcelo associou corretamente ao Pré-sal, embora sejam riquezas em proporções muito distintas.

Enquanto que o escândalo relacionado à Itaipu provocou tremores no governo direitista do Paraguai, incluindo a queda do ministro das relaçõe exteriores e por ventura até o impeachment do presidente paraguaio, no Brasil o tema não despertou uma grande crise. Diante do atoleiro em que Bolsonaro se encontra, o escândalo de Itaipu transformou-se em um problema pequeno, de natureza familiar. No entanto, é mais um duríssimo ataque ao patrimônio nacional, e deve entrar na lista de razões para a mobilização pela queda deste governo fraudulento.