Israel
A rejeição de um projeto de lei pelo parlamento israelense que afastaria Netanyahu do poder demonstra como a campanha contra a corrupção é uma falácia
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
primeiro-ministro-de-israel-benjamin-netanyahu-em-pronunciamento-sobre-coronavirus-1584050482011_v2_1920x1280
Benjamin Netanyahy: líder da extrema-direita israelense | Ammar Awad/File Photo/Reuters

Nesta quarta-feira (12), um projeto de lei apresentado pela oposição que, se aprovado, afastaria do poder o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu (Likud), foi rejeitado pelo parlamento israelense. O texto previa que um político acusado do crime de corrupção não poderia formar um governo.

A rejeição foi aprovada pela votação de 53 votos contra 37. O líder da oposição, Yair Lapid (Yesh Atid), foi o responsável pelo projeto, que impossibilitaria Netanyahu de participar em novas eleições. Israel, uma base avançada do imperialismo mundial, e em especial do norte-americano no Oriente Médio, vive mergulhado em uma profunda crise institucional.

O primeiro-ministro de extrema-direita, no poder há mais de uma década, é o principal representante político da burguesia israelense. Se a oposição lograsse êxito em inabilitá-lo, a burguesia perderia seu representante.

A situação do país é difícil em virtude da crise econômica, dos impactos da pandemia do coronavírus. As tensões na Cisjordânia aprofundam a tensão política e social. A coalizão governamental é formada pelos partidos Likud e o partido Azul-Branco. Foram mais de 500 dias de crise para a formação de um governo, com três eleições seguidas sem um vencedor.

O partido Azul-Branco, que tem a “luta contra a corrupção” como uma de suas principais bandeiras políticas, não participou da votação, embora tenha sido solicitado pela oposição que o fizesse. Netanyahu responde a processo por corrupção.  A direção do Azul-Branco afirmou, em nota, que “nossa posição fundamental sobre esse projeto não mudou. Mas votar essa lei agora é simplesmente uma tentativa de desestabilizar todo o sistema político”.

A burguesia não tem um substituto a altura para Netanyahu. A rejeição de seu afastamento deixa claro que a burguesia rejeita que ele saia por uma mera questão de conveniência, mesmo que esteja envolvido em escândalos de corrupção.

A bandeira da “luta contra a corrupção” nunca passou de hipocrisia da burguesia e dos seus partidos políticos. A campanha raivosa, moralista e fascista de denúncias histéricas contra a corrupção não passa de uma ofensiva da burguesia para eliminar seus inimigos políticos e promover golpes de Estado contra governos nacionalistas. Em todos os países, tal tipo de campanha foi um elemento organizador da extrema-direita.

No caso israelense, a hipocrisia política salta aos olhos. O partido da bandeira da “honestidade”, o Azul-Branco, negou-se a votar contra um político acusado de corrupção para manter a estabilidade política. Se fosse um político de esquerda, seguramente a direita estaria levando adiante uma campanha sistemática contra “a corrupção”.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas