Israel faz bloqueio de comida e bens de primeira necessidade para Gaza: o mundo se cala

gaza

Mais uma vez Israel restringiu a entrada de produtos de primeira necessidade em Gaza. Da quarta-feira passada até ontem (22), até mesmo comida e combustíveis não podiam entrar no território governado pelo Hamas. A organização denunciou os crimes contra a humanidade praticados mais uma vez por Israel. O corte de suprimentos veio em meio a um bombardeio contra a população local, uma massa de 1,7 milhão de pessoas constrangidas em 365 quilômetros quadrados (uma das maiores densidades populacionais do mundo). Invertendo a realidade, é o Hamas que a imprensa chama de “terrorista”, enquanto encobre o terrorismo de Estado de Israel.

Mais de cem palestinos morreram na mais recente ofensiva israelense. Os ataques seriam uma resposta à morte de um soldado israelense ferido na fronteira com o território palestino. A morte de centenas de palestinos é comum durante as ofensivas de Israel, quando a contagem não chega à casa dos milhares. Trata-se de uma política de genocídio e limpeza étnica, guiada por uma política de predominância racial levada adiante por um Estado criminoso.

O desabastecimento de Gaza não acontece apenas durante as ofensivas israelenses. Há uma grande lista de produtos básicos que têm sua entrada controlada ou simplesmente proibida. Além disso há outras restrições, como apenas seis horas de energia elétrica por dia. A todas essas restrições deve-se acrescentar que Gaza está separada de outras partes do território palestino, retalhado pelas expulsões de palestinos levadas adiante por Israel desde sua fundação. Uma situação parecida com a criação dos bantustões na África do Sul, na época do apartheid. Também como na África do Sul, onde os negros eram cidadãos de segunda classe, os palestinos são cidadãos de segunda classe em Israel, em sua própria terra. Os palestinos que se viram forçados a permanecer e conseguiram ficar em Israel não têm os mesmos direitos que os judeus.

Apesar de toda essa situação, o imperialismo não faz nenhuma campanha contra Israel. Afinal, Israel é um enclave imperialista no Oriente Médio e um pilar de sustentação da dominação imperialista na região. Diante disso, o imperialismo, ao contrário de denunciar as atrocidades do Estado de Israel, vende o país como uma suposta “democracia” no Oriente Médio. Puro cinismo em defesa de uma política que visa controlar a região reprimindo as populações locais em proveito dos interesses dos grandes monopólios econômicos imperialistas.