Rússia assume o cessar fogo.
Azerbaijão, Armênia e Rússia assinam acordo de paz, que tem na espreita Israel e o imperialismo norte-americano, e uma tentativa de ganhar influência na região.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
nagorno
Manifestantes favoráveis ao Azerbaijão. | © Reuters

Armênia e Azerbaijão, mediados pela Rússia, formalizaram acordo de paz para pôr fim a décadas de combates pelo controle da região de Nagorno-Karabakh, na fronteira dos dois países. A Rússia vai enviar 1.960 militares, 90 tanques e 380 veículos para a região para garantir o cumprimento do acordo. Putin disse que cada parte vai manter as posições que ocupam atualmente. O presidente azerbaijano, Ilham Aliyev, o primeiro-ministro armênio, Nikol Pashinyan, e o presidente russo, Vladimir Putin, assinaram o documento que foi festejado no Arzebaijão e protestado na Armênia, já que manteve os territórios recuperados pelo Azerbaijão e contra a resistência da Armênia.

O conflito entre Armênia e Azerbaijão sobre o território disputado de Nagorno-Karabakh já contava com a atenção de espectadores interessados na região e na parceria com ambos os países. Se de um lado se coloca Israel, o imperialismo norte-americano, e o novo parceiro Emirados Árabes Unidos (EAU), de outro estão Irã, Rússia e Turquia; o que já vinha sendo traduzido em uma guerra no Cáucaso, indiretamente envolvendo interesses russos e norte-americanos. 

Com o petróleo bastante valorizado entre 2010/2015, o Azerbaijão investiu em equipamentos militares, sendo seu principal fornecedor a Rússia, mas também estabeleceu relações com Israel, que acabou sendo, depois da Rússia, o segundo maior fornecedor de armamento militar. O Azerbaijão instituiu laços com Israel logo após a independência pós-Guerra Fria, em 1991. Está entre um punhado de países de maioria islâmica que possui relações com Tel Aviv.

Assim como a Rússia, embora reconheça a ocupação das terras pelo Arzeibajão, fornece arma para ambos os lados, favorecendo a Armênia na luta contra terceiros. O imperialismo norte-americano, ao lado de Israel tenta implementar a mesma estratégia.

Desde o século 14, a importância econômico da região atraiu interesse de fora, de quem estava de olho no controle dos vales, das águas e das raras passagens entre as montanhas, rotas do comércio entre a Ásia e a Europa. Atualmente a região é marcada pelos oleodutos que atravessam o Cáucaso, e que estabelece uma ponte entre as reservas de petróleo e gás no Azerbaijão e Cazaquistão a Moscou e aos portos da Europa, o que faz da região uma área estratégica de grande importância para a Rússia, e mais ainda pelos imperialismo norte-americano.

O cenário do conflito é uma região basicamente de montanhas na Ásia Central, e está colocada entre os mares Negro e Cáspio.  Tendo de um lado da cadeia de montanhas a civilização eslavo-ortodoxa, populações de origem russa, e do outro, a islâmica, composta por mais de 20 povos, as montanhosa se colocam como a linha divisória entre esses dois mundos. O Azerbaijão fica ao sul (Transcaucásia) junto com a Geórgia e a Armênia, e compõem as Repúblicas do Cáucaso, como ficaram conhecidas. Na Ciscaucásia, ao norte, está a Federação Russa composta por oito repúblicas e regiões autônomas que integram, incluindo a República da Chechênia, a Inguchétia e o Daguestão. 

Anexado ao Azerbaijão por Stalin, Nagorno Karabach é um território majoritariamente povoado por armênios.

Uma guerra estoura entre azerbaijanos e armênios com a queda da URSS, deixando 30.000 mortos. Um cessar-fogo em 1994 consagra a criação de fato de uma república autoproclamada sob controle armênio.

A Rússia mantém boas relações com Yerevan e Baku, mas nunca pôde impor uma paz duradoura, e alguns suspeitam que Moscou, que arma os dois lados, mantém as tensões para melhorar sua influência.

O conflito já era marcado por incessantes combates com muitos mortos e denúncias de torturas e bombas de fragmentação despejadas sobre as cidades. Enquanto o Arzebaijão recebeu reforço da Rússia, a Armênia era e é influenciada pelos EUA, cuja aproximação data da dissolução da União Soviética em 1991, e que também a incluia.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas