Uma receita que vem do Iraque
Uma onda colossal de protestos, se dão em meio à crise gigantesca no Iraque. Essa tendência expressa um sentimento de total indignação e, a insurreição contra as condições de vida
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
iraque
Manifestação: apesar da pandemia da covid-19, centenas de pessoas juntaram-se na Praça Tahrir |

Uma onda colossal de protestos, se dão em meio à crise gigantesca no Iraque. Essa tendência expressa um sentimento de total indignação e, a insurreição contra as condições de vida no país deixadas pela intervenção criminosa do imperialismo e, do constante acosso que os habitantes da região sofrem do imperialismo.

O fato é que o povo está desesperado e vai às ruas em protestos radicalizados sem medo do coronavírus, eis que a situação da população é desesperadora.

Verdade é que essa é uma tendência mundial, não só no Iraque. Assim, o Iraque antecipa o que virá pelo Mundo. Centenas de manifestantes em Bagdad exigem mudança política e melhor condições de vida. O protesto não tem a força do levantamento de outubro do ano passado, devido à pandemia, conto, marcam o retorno das massas às ruas com o mesmo vigor e as mesmas exigência são as mesmas: mudanças, já.

A radicalidade dos protestos pode ser vista em uma casa “banhada pelo sol” num olival em Porto de Mós onde centenas de iraquianos manifestaram-se neste domingo em Bagdad, no regresso dos protestos contra o Governo.

Entre as justas reivindicações da população destaca-se a luta contra a classe política e para exigir melhores condições de vida. Nesse sentido os protestos regressaram ao centro da capital do Iraque escassos dias após a nomeação de um novo primeiro-ministro, o antigo chefe dos serviços secretos Mustafa al-Khadhimi, o terceiro no espaço de um ano.

Fato é que o primeiro-ministro, que conta com uma base de apoio política mais sólida do que os antecessores, tinha anunciado uma série de medidas destinadas ao apaziguamento social. Havia também a promessa de Prometeu libertar os manifestantes presos nos protestos de Outubro e, após a primeira reunião do seu Conselho de Ministros, pediu justiça para as 550 pessoas mortas na repressão do Estado durante os protestos. Nada disso se cumpriu.

O governo queria também um perdão dos familiares pelas mortes perpetradas, ou seja, “pediu a compreensão aos iraquianos e às famílias das vítimas”. Em reposta, e apesar da pandemia da covid-19, centenas de pessoas juntaram-se na Praça Tahrir, na maior manifestação no país desde 17 de março, quando foi imposto o recolher obrigatório devido à pandemia, relata a jornalista da Al-Jazeera em Bagdad Simona Foltyn.

Ressalta a jornalista, “Desde essa altura, a Tahrir tem estado vazia, com apenas algumas dezenas de pessoas em tendas”. Porém neste domingo, relata a jornalista, centenas de pessoas começaram a concentrar-se às dez da manhã. “É pouca gente quando comparado com o início dos protestos… mas as pessoas continuam a chegar à Tahrir e o número pode subir”.

A verdade faz-nos mais fortes Das guerras aos desastres ambientais, da economia às ameaças epidémicas, quando os dias são de incerteza, o jornalismo do Público torna‐se o porto de abrigo para os portugueses que querem pensar melhor. Juntos vemos melhor.

O governo tentou um arranjo. Houve cedências, com a distribuição de cargos ministeriais – na verdade diz aAl-Jazeera, os principais partidos escolheram as pastas que queriam, para evitar novo bloqueio. Contudo, os manifestantes rapidamente voltaram à rua e, este domingo, pediram o que pedem desde outubro: o afastamento de toda a classe política, uma mudança no sistema político e a recuperação da qualidade de vida perdida em guerras internas e na transformação do país numa plataforma de conflitos entre forças externas.

Querem a recuperação do sistema de saúde iraquiano que entrou em colapso. Um primeiro teste a Mustafa al-Khadhimi será a forma como vai reagir aos protestos, que até aqui foram reprimidos com violência.

O povo ganha as ruas apesar do coronavírus. O governo apesar da repressão vê um crescente movimento que pode derrubar o regime se não atendidas as justas reivindicações do povo.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas