Fora Imperialismo!
As unidades de mobilização popular (Al-Hashad Al-Shabi, em árabe) do Iraque insistem na saída das forças de ocupação dos Estados Unidos no país.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
iraque
Povo iraquiano quer saída dos Estados Unidos do país árabe. | Foto: Reprodução.

O porta-voz do Comando de Operações Conjuntas do Exército Iraquiano, Brigadeiro-General Yahya Rasul disse nesta terça-feira (5 de agosto) que a coragem do povo e das Forças Armadas iraquianas libertou o país árabe das mãos de grupos terroristas, e não foi a presença de forças militares estrangeiras, ou seja do imperialismo, que tiveram alguma participação nisso.

”Reiteramos isso novamente. Nas operações de libertação, não precisamos de forças estrangeiras e agora não precisamos delas em operações para eliminar os restos de Daesh (um acrônimo em árabe para o Estado Islâmico ,EIIL). Nossas forças são capazes de realizá-lo por conta própria ”, esclareceu a autoridade militar iraquiana.

O porta-voz enfatizou que o próximo passo na partida de forças estrangeiras é a retirada das tropas americanas de suas bases no Iraque, incluindo a base de Al-Tayi, no norte de Bagdá , capital do Iraque e vários outros aeroportos. O general Rasul elogiou o papel do Irã na luta contra o ISIL no Iraque. “Não esqueceremos todos os que estavam conosco, incluindo a República Islâmica do Irã que veio ajudar o Iraque desde o início da chegada de Daesh a Bagdá”, enfatizou.

É bom lembrar que há alguns meses o parlamento iraquiano votou pela retirada das tropas imperialistas do país, motivado pelo ataque norte-americano que matou o general iraniano Qassem Soleimani, em em território iraquiano, violando assim a soberania desse país. Isso deixou o povo iraquiano indignado.

Em resolução de 5 de janeiro, pedindo ao governo que cancelasse o pedido de assistência dos EUA e acabasse com a presença de suas forças. Os legisladores iraquianos decidiram tomar uma medida em resposta à agressão liderada pelos EUA em Bagdá que matou o comandante da Força Quds do Corpo Islâmico de Guardas Revolucionários (IRGC), o general Qasem Soleimani eo vice-comandante. das Unidades de Mobilização Popular Iraquiana (Al-Hashad Al-Shabi, em árabe), Abu Mahdi al-Muhandis e outros militares iranianos e iraquianos.

De fato, o ataque em si dos EUA, o assassinato de Soleimani, mexeu com as peças geopolíticas, políticas e militares da região: os povos árabes e persa se tornaram ainda mais anti-imperialistas, e forçaram seus países e ficarem ainda mais com um pé atrás em relação à confiança nos EUA.

O terrorismo de estado dos EUA não apenas gerou um consenso contra Washington no Iraque, mas no Irã e outros países da região. As autoridades persas afirmam que os assassinos dos dois comandantes iranianos e iraquianos desconhecem os impactos de seu martírio ou movimento que acabarão com o imperialismo.

Também é possível cogitar que o último ataque no Líbano nesta semana em que morreram em explosão pelo menos 135 pessoas com saldo de 5.000 feridos e destruição de metade da cidade possa ter ligações com o imperialismo, afinal de contas é onde o Hezbolá é uma peça chave na luta contra o imperialismo no local.

O imperialismo pode estar desesperado e tentando maquinar uma contra-ofensiva para diminuir a força do Hezbolah a fim de manter suas tropas no Oriente Médio.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas