Coronavírus nas prisões
O trabalhador preso, massacrado pelo capitalismo, agora pode morrer na prisão ou nos hospitais por falta de socorro contra o coronavírus
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
prisões
Prisões são desumanas em qualquer lugar. |

As autoridades do Irã concederam liberdade temporária a 70 mil presos para impedir a disseminação do novo coronavírus nas penitenciárias. O país enfrenta um surto da doença, com 7.161 casos e 237 mortes.

Nesta segunda-feira (09/03), o Ministério da Saúde iraniano informou a ocorrência de 595 novas infecções e 43 mortes pela enfermidade nas 24 horas anteriores. Os números são pouco menores do que os de domingo, enquanto 2.394 pessoas superaram a doença.

A maioria dos pacientes foi registrada na província de Teerã, com 1.945 casos; seguida por Qom, origem da epidemia no Irã, com 742; Mazandaran (633); e Isfahan (601).

Enquanto tentam controlar a situação, escolas e universidades permanecem fechadas, assim como ginásios, centros esportivos e a maioria dos locais turísticos. E todos os tipos de eventos culturais, esportivos e religiosos foram suspensos.

Na verdade, essas prisões são resultado de muita  violência que, ordinariamente, a envolve e caracteriza um Estado Burguês, para impor a ordem diante da acumulação injusta que o capital impõe, o que agride diretamente a classe trabalhadora, notadamente o exército de desempregados que o sistema é obrigado a manter para manter o salário baixo.

A realidade da população carcerária, deve ser encarada como uma prática da tortura, física e psicológica, no Irã e em todo lugar cujo capital é determinante. E essa conduta, reflete no judiciários do país.

A violência antecede as prisões, quando milhões de trabalhadores, impedidos de trabalhar, são impelidos a pequenos furtos para a mantença de suas famílias. E, quando são pegos, não conseguem se defender do pesado braço do Estado, que faz cair sobre eles todo o aparato repressivo de forma vil e covarde.

Soma-se a isso, o fato da polícia alcançar confissões e informações por meio de torturas, que contaminam os inquéritos policiais e a instrução criminal, material que, utilizado pelo Ministério Público e o Judiciário, serve tão somente para segregar o trabalhador condenado nas prisões.

Depois, presas ou detidas, quando ficam à disposição da justiça, são submetidas à tortura ou ao tratamento desumano, enquanto aguardam julgamento ou quando já cumprem sentenças. Em tais situações, o modo como permanecem presas, e as situações concretas de danos que sofrem, ou do risco de sofrê-las, põe por terra qualquer garantia constitucional, ou estados de direitos existentes.

A crise nas penitenciárias, não só do Irã, como do mundo todo, e que, frise-se não sofrem só com o coronavírus, demonstram um completo fracasso do sistema prisional e servem somente para esmagar a classe operária mais pobre. É tarefa da esquerda combater o sistema penitenciário e lutar pela libertação dos presos, tanto os que aguardam julgamento quanto os que já cumprem penas, e por abaixo esse degradante sistema, que, de tão desumano, não se espera outra coisa dele que não um foco de doenças, que, numa hora como essa, percebe-se bem o drama dessa realidade e como ela afeta a todos.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas