Conquista do povo iraniano
Segundo informações do Conselho Presidencial de Inovação em Nanotecnologia do Irã, o sistema desenvolvido pelo país persa é capaz de detectar o coronavírus em apenas 30 segundos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Iran
Profissionais de Saúde iranianos no combate ao coronavírus | Créditos: Haidar Hamdani/AFP

Irã apresenta uma novidade no combate ao coronavírus. Através da detecção de oxigênio reativo no escarro, o dispositivo é capaz de identificar quem está infectado. Segundo informações do Conselho Presidencial de Inovação em Nanotecnologia do Irã, o sistema desenvolvido pelo país persa é capaz de detectar o coronavírus em apenas 30 segundos.

O método chamado de RDSS caracteriza-se por ser não invasivo e consegue determinar a situação do paciente através da expectoração ao contrário da análise sanguínea, fornecendo resultados com mais de 97% de confiabilidade. O processo de detecção procura o que é conhecido como ROS (Reactive Oxigen Species) [ em português: espécies reativas de oxigênio], que são produzidas quando os pulmões abrigam o coronavírus. Embora o PCR (Reação em Cadeia da Polimerase) seja o método de teste dominante para o coronavírus no mundo, ele apresenta deficiências, pois a pessoa testada é obrigada a esperar pelo menos 48 horas pelos resultados. Além disso, o PCR pode dar negativo mesmo a pessoa tendo sido infectada, o que a obriga a um novo teste. Com essa nova tecnologia apresentada pelo Irã, tudo o que você precisa fazer é cuspir em um recipiente especial e entregá-lo ao técnico. Por conseguinte, um sensor eletroquímico feito de materiais nanoestruturais sensíveis é colocado na amostra de escarro fresco gerando resultado que pode ser visto imediatamente em um pequeno monitor. Vale destacar que o RDSS resolve a possível falha na detecção do coronavírus, mesmo nos casos em que os sintomas não são detectados.

Até o momento, o Irã é o único país que faz uso desse sistema. De acordo com o Conselho da Iniciativa de Nanotecnologia, o novo dispositivo não tem como objetivo substituir o método de PCR, sendo portanto um sistema de teste independente ou até mesmo complementar ao PCR; principalmente nos casos suspeitos que precisam de um segundo teste.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas