Invenção de “hackers”: farsa para censurar e perseguir a esquerda

moro-glen

O país está muito próximo de conhecer mais uma gigantesca farsa gestada nas hostes do governo fraudulento de Jair Bolsonaro, da “República Lavajatista de Curitiba” e dos elementos mais desqualificados e moralmente rebaixados da extrema direita nacional. Acuados com as revelações bombásticas e demolidoras que emergiram com os vazamentos do sítio The Intercept, onde juízes, procuradores e até mesmo ministros da suprema corte de justiça do país (STF) estão sendo flagrados em diálogos conspiratórios para incriminar ilegalmente réus nos processos da golpista e persecutória “Operação Lava Jato”, um dos braços policiais mais sinistros do Estado, a Polícia Federal, deflagrou operação para prender os supostos “hackers”, que de acordo com as “investigações” (fraudulentas, obviamente) seriam eles os autores da “invasão” aos celulares dos manda-chuvas da Lava Jato.

Não é preciso recorrer às profundezas do pensamento ou ao raciocínio mais elaborado para concluirmos com simplicidade que a ofensiva do Estado burguês capitalista (cada vez mais policial, arbitrário e antidemocrático) e suas agências propagadoras de mentiras e inverdades contra o trabalho jornalístico e democrático do The Intercept é parte componente da campanha vil e insidiosa do conjunto do regime golpista contra os que, mesmo tímida e moderadamente, insurgem-se às monstruosidades que vem sendo perpetradas pelos conspiradores contra os direitos mais elementares da sociedade e do conjunto da população.

Toda a  monumental crise em que o regime golpista está mergulhado, com a revelação cotidiana de sucessivos escândalos envolvendo autoridades que ocupam postos de comando e decisão no Estado (juízes, procuradores, ministros, parlamentares) evidenciam de forma clara que está em franco progresso no país a decomposição completa do recém-empossado governo, cujo desfecho pode vir a ser a instalação de um regime de terror e perseguição, com inconfundíveis características de uma rápida evolução para um regime abertamente ditatorial e fascista.

A prisão, nesta terça-feira, dia 23, de um dos “suspeitos” de haver realizado a “invasão” aos celulares dos que comandam a “Operação Lava Jato”, abre as portas para precedentes arbitrários e inconstitucionais de toda a ordem contra qualquer cidadão que a Polícia Federal e outros órgãos estatais ligados à repressão julgue – a seu critério e juízo – suspeitos de terem cometido crimes contra autoridades constituídas do Estado. Isso nada mais é do que a ante-sala para instalar e consolidar no país uma verdadeira ditadura, um regime policial, de terror, de censura e de perseguições, em primeiro lugar contra a esquerda, os partidos de oposição, os movimentos populares, os sindicatos, a imprensa, artistas, intelectuais, etc.

É preciso deixar claro que todo esse estado de coisas, toda essa escalada de ilegalidades inconstitucionais, antidemocráticas e de ataques aos direitos da população não pode e não será contido nos marcos das instituições (golpistas) do Estado; não pode ser barrado com discursos no parlamento ou com ações na justiça. As instituições estão dominadas pelos elementos que conspiraram e derrubaram o governo eleito, que jogaram na lata de lixo o voto popular, que atentaram contra a decisão soberana da população. Os golpistas e a ofensiva policial e persecutória do Estado somente poderá ser detida pela força da mobilização social, do enfrentamento das massas populares contra o governo Bolsonaro e o conjunto do regime político, levantando a palavra de ordem de FORA BOLSONARO!