Intervenção Militar no RJ: militares invadem Complexo do Chapadão com tanques, helicópteros e 5.500 homens

0-eus-d6-22e350a2092434412488746685d0aa4a

Mais de 5,5 mil militares ocuparam, nesta madrugada, a região do Complexo do Chapadão e da Pedreira no Rio de Janeiro. Ao todo são 80 policiais militares, 100 policiais civis e 5.400 militares. A operação ainda conta com helicópteros, carros blindados, tanques, caminhões, equipamentos de engenharia.

Tanques tomam ruas do Complexo do Alemão

A desculpa apresentada pelos militares para esta mega operação é o suposto alto índice de roubo de cargas e de carros. Segundo o coronel Carlos Cinelli, porta voz da operação, esta é a maior operação do exército, em número de oficiais, desde o início da Intervenção Militar no Estado do Rio de Janeiro, desde fevereiro deste ano.

O Complexo do Chapadão abrange os bairros de Guadalupe, Anchieta, Barros Filho, Costa Barros, Pavuna, Ricardo de Albuquerque. Ao todo são mais de 1,2 milhão de pessoas que moram na região. A operação provocou um engarrafamento na Avenida Brasil, maior que o habitual. O exército está jogando panfletos de helicópteros pedindo para a população fazer denúncias sobre os traficantes do local. Os carros e tanques tomaram as ruas e aulas e parte do comércio estão fechados.

A intervenção militar no Rio de Janeiro já mostrou a que veio. Aumentar a repressão contra a população e não resolver nenhum problema de segurança pública. Desde que os militares ocuparam o Estado os índices de criminalidade não diminuíram, pelo contrário só aumentaram. Nesse tempo dezenas de pessoas foram mortas entre eles a vereadora do PSOL, Marielle Franco, que foi executada e o jovem estudante de 14 anos.