Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit

Há cerca de um mês, o presidente golpista Michel Temer determinou que as Forças Armadas assumissem a Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro. Na prática, o Exército se tornou o chefe de todas as polícias e dos bombeiros do segundo Estado mais importante do país, o que fez com que o governador do Rio, eleito por sua população, se tornasse refém dos militares.

Segundo setores da esquerda, a intervenção seria apenas uma forma de fazer com que o governo Temer retomasse prestígio junto à população, ganhando, assim, melhores condições para ser reeleito. Além de ser absurda a possibilidade de Temer se tornar popular após todas as suas medidas desastrosas, negar que há um ensaio para um golpe militar generalizado é não enxergar minimamente o que está acontecendo com o país.

Com a intervenção, ficou claro, concretamente, quais eram as intenções dos golpistas ao espalhar militares pelo Rio de Janeiro: uma vereadora foi assassinada por denunciar as atrocidades da polícia, a carnificina nos morros só aumentou e um clima de terror se instaurou no Estado. O povo que protestou contra o golpe nas escolas de samba e que ameaçou uma grande revolta contra a prisão de Lula está sendo duramente reprimido e assassinado todos os dias.

Junto a isso, o sensacionalismo da imprensa diante dos últimos acontecimentos no Ceará vem mostrando que a intervenção no Rio de Janeiro é um protótipo para uma experiência a ser realizada em todo o país. Por isso, é necessário abandonar qualquer tese que amenize o verdadeiro teor da intervenção militar no Rio de Janeiro e exigir, imediatamente, que os militares voltem para os quartéis.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas