O jogo dos golpistas
Afastar o presidente da República por problemas supostamente psiquiátricos é um desvio total da luta política
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ema
Bolsonaro oferece cloroquina a ema | Foto: Reuters/Adriano Machado

Na última semana, o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, deu declarações defendendo o afastamento do presidente ilegítimo Jair Bolsonaro por um suposto transtorno mental. A “prova” apresentada pelo psolista teria sido o fato de que Bolsonaro foi fotografado oferecendo cloroquina para uma ema no Palácio do Planalto. Não por acaso, a Globo News, na tarde da sexta-feira (24), também deu a entender que o fascista estaria fora de seu juízo perfeito.

O pedido de interdição do presidente da República é desvio total da luta política e poderá levar a uma série de consequências que apenas contribuirão para a manutenção do regime político. Em primeiro lugar, é preciso sinalizar que o pedido de interdição é mais uma demonstração de que o PSOL ainda não foi capaz de compreender a essência da campanha pelo Fora Bolsonaro.

Bolsonaro deve ser derrubado porque foi imposto pela burguesia por meio de uma eleição fraudulenta para atacar francamente a população. O Fora Bolsonaro, portanto, é uma campanha para que o povo tire do poder, de maneira definitiva, a corja golpista que vem conspirando contra o próprio país há anos. Pedir a interdição de Bolsonaro nada tem a ver com a derrubada do governo e, portanto, nada tem a ver com a campanha do Fora Bolsonaro. Trata-se apenas de uma encenação de tipo eleitoral contra o presidente ilegítimo.

Para o PSOL, pode haver algum ganho em aparecer nas eleições municipais de 2020 com os dizeres “não vote no candidato apoiado por um ‘louco’, vote no candidato do PSOL. Para o povo, que continuará sendo atacado duramente pelo regime político golpista, não haverá diferença alguma.

Em segundo lugar, precisamos sublinhar o gravíssimo precedente que se abriria caso Bolsonaro fosse interditado. Nos últimos anos, a direita fez bastante campanha contra Dilma Rousseff, alegando que ela seria “desequilibrada”, “louca’, “instável”. Se já houvesse o precedente da derrubada de Bolsonaro, facilmente a burguesia poderia se aproveitar da situação para pedir a interdição de uma presidenta que foi eleita por 54 milhões de votos. Bastaria que um médico direitista e canalha suficiente para atestar contra a sanidade da presidenta. E isso não falta, basta ver o caso de Ronaldo Caiado (DEM-GO).

Por fim, precisamos também destacar que a caracterização de líderes da extrema-direita como “loucos”, “insanos” e “desequilibrados” é algo que sempre foi repetido pela esquerda durante a história. Não foi diferente durante o nazismo. E em todos esses casos, chamar os fascistas de “loucos” apenas serviu para ocultar o que de fato são: agentes mercenários financiados diretamente pelo imperialismo para aplicar a política dos bancos. Isto é, chamando Bolsonaro de “louco”, todo o problema da ofensiva do imperialismo, do apoio da burguesia à extrema-direita e do regime político com características fascistas se perde. E quem acaba ganhando com isso é a própria burguesia, que ganha mais uma oportunidade de manter o seu domínio sobre as massas por meio do rótulo de “científica”, “sã” ou “sensata”.

O que chama mais a atenção é que esse tipo de erro político, fruto de uma total desorientação e ignorância em relação ao fascismo, revela um profundo desespero em uma situação que não é, necessariamente, desesperadora. Recentemente, a burguesia divulgou pesquisas em que Bolsonaro aparece como favorito para as eleições de 2022. Nesse cenário, em que Bolsonaro goza de enorme popularidade, o desespero do PSOL seria até compreensível. No entanto, isso não corresponde, nem de longe, à realidade. Bolsonaro é extremamente impopular e a revolta contra o seu governo é cada vez maior. Os atos radicais contra a extrema-direita, que varreram os bolsonaristas das ruas, são prova disso.

A política de apoiar as instituições burguesas — afinal, não bastará apenas de um médico para interditar Bolsonaro, mas sim o conjunto do regime político — é o que ainda mantém o governo de pé. O dever de todas as organizações dos trabalhadores é o de, nesse momento, impulsionar a mobilização revolucionária do povo para pôr abaixo o regime político golpista.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas