Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
5c86daa9bd088d1839914e6d
|

O reacionário José Nêumanne, em sua coluna no jornal golpista O Estado de S. Paulo, fez uma acusação baixa e difamatória contra o sítio The Intercept, tachando-o de um veículo de espionagem.

“Intercept é espião, não jornal”, afirmou o colunista no título de seu artigo de propaganda. O argumento para embasar a acusação? Nenhum. Tenta traçar uma ligação direta entre Glenn Greenwald, Julian Assange, o governo russo, o Telegram e, finalmente, o vazamento das conversas entre Sérgio Moro e procuradores da Lava Lato.

Esta é a “prova” de que o Intercept não passa de um espião:

“O hacker Julian Assange, parceiro do americano no caso de espionagem do Wikileaks, preso em Londres, é acusado de espionagem pelos Estados Unidos e estupro na Suécia. Este envolveu-se com russos, origem do aplicativo Telegram, que teria sido usado pelo ex-juiz Moro e por procuradores da Lava Jato e invadidos”, escreveu Nêumanne.

Primeiro, ele próprio comprova como é um difusor da propaganda imperialista contra Assange e o Wikileaks, que divulgaram dados sigilosos de interesse público os quais evidenciam a espionagem… do governo dos EUA, particularmente da Agência de Segurança Nacional (NSA, na sigla em inglês). Por isso foi montada uma acusação farsesca contra o “hacker” – a de que teria cometido estupro e, portanto, deveria ser preso.

A Rússia tem sido brutalmente atacada pelos EUA, dentre os casos está este de conceder asilo a Assange, um perseguido político do imperialismo. Obviamente, Putin usa isso como uma represália e uma carta na manga para se defender de todos os ataques que sofre de Washington. Mas isso torna Assange um agente de Moscou. E o Telegram, apenas por ser russo, também. Mesmo que o dono do aplicativo seja um empresário contrário a Putin e viva fora da Rússia. Por exemplo, Pavel Durov se recusou a liberar os dados dos usuários do Telegram para o governo russo, o que já mostra a falta de vínculo entre o Kremlin e o aplicativo.

Mas, para o “jênio” Nêumanne – talvez sabendo que seus leitores são tão “jeniais” como ele -, está claro: o Intercept é um espião russo. Na verdade, isso não passa de uma tentativa das mais rasteiras de desacreditar os vazamentos feitos pelo sítio norte-americano (ué?), que colocam em xeque a Lava Jato e o próprio golpe. Trata-se, também, de uma campanha de perseguição política e contra a própria liberdade de imprensa.

E o curioso é que quem acusa o Intercept de ser um espião russo é justamente a imprensa golpista, que demonstrou diversas vezes que nada mais é do que um monopólio a serviço direto dos interesses imperialistas dos EUA.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas