Intelectuais do mundo todo criticam Netflix por falsificação da história na série Trotsky

RussianCivilWarWhiteArmypropagandaposterdepictingTrotskyasadevil. 1

Na quarta-feira, 20 de fevereiro, foi lançada publicamente uma campanha impulsionada por Esteban Volkov, neto de Trotsky, que reuniu as assinaturas de intelectuais reconhecidos de todo o mundo, como Slavoj Zizek, Fredric Jameson, Robert Brenner, Nancy Fraser, Mike Davis, Michael Löwy, Eduardo Grüner, Horacio González, entre outros, bem como importantes nomes políticos da esquerda, repudiando as mentiras espalhadas na série “Trotsky” produzida pelo governo russo e transmitida pela plataforma Netflix.
Em seu primeiro dia de divulgação, a declaração foi publicada simultaneamente em inglês, francês, português, espanhol, alemão, catalão e italiano e não parou de se replicar em redes e mídias ao longo do dia, tanto na Argentina, quanto na França, Espanha, Alemanha, Itália, Uruguai, entre outros.
A Netflix empresa é uma empresa fundada nos Estados Unidos e que hoje conta com mais de 100 milhões de usuários. É bem conhecida pelos seus materiais despolitizados. Por exemplo, típicos filmes de ação, romance, desenhos japoneses, adaptações de quadrinhos para séries. Também, filmes, séries e documentários em defesa do imperialismo são a regra. Assim, é de se esperar que uma série sobre um dos principais revolucionários do século XX e do mundo contemporâneo, não seja mais que um conjunto de besteiras e de estereótipos promovidos pelos inimigos da luta e da revolução proletária. O medo de Trotsky é fundado e justificável, pois estamos diante da ascensão do fascismo no mundo inteiro. Trotsky, inevitavelmente, é o intelectual de combate ao fascismo.
O fascismo sempre foi uma preocupação precoce de Trotsky. Acertadamente, o revolucionário o enxergou como algo que cresceria em uma escala geométrica em um curto período de tempo e seria responsável pelo esmagamento das organizações do proletariado e levaria o mundo ao caos da segunda guerra mundial. Os políticos dos partidos comunistas, no entanto, adotaram uma política centrista. Chegando a defender que o principal inimigo dos trabalhadores na Alemanha naquele período era a social democracia em crise. Os comunistas até chegaram a imitar alguns rituais ridículos sem nenhum sentido prático dos fascistas.
Os grandes nomes da história sempre tendem a ser alvo da difamação da classe dominante de sua época. Os problemas reais, o homem real, suas contradições, as suas posições na sociedade, nada disso importa. No lugar temos exageros, desumanização, crueza, tudo para justificar a necessidade de não seguirmos nenhum exemplo dessas grandes personalidades.

Trotsky, um dos maiores líderes revolucionários da história da humanidade, foi um dos grandes responsáveis pela vitória da União Soviética. Como comandante de guerra do exército vermelho, liderou e venceu as forças estrangeiras (14 países) e czaristas. O exército branco que era uma frente composta por mais de uma dúzia de países contra a revolução do proletariado na Rússia foi esmagado pela sua inteligência política e militar.

Sua trajetória e seus ensinamentos permanecem como fundamentos essenciais para a luta dos trabalhadores nos dias atuais e, por isso mesmo, ele é alvo de todo esse processo de manipulação e fraude.