Rumo à ditadura fascista
Inquérito aberto pelo aparato de repressão do Estado contra elementos bolsonaristas que financiaram manifestações pode-se virar rapidamente contra a esquerda
stf-alexandre-de-moraes
O ministro fascista, Alexandre de Moraes. | Foto: Reprodução

Novamente o Supremo Tribunal Federal, em conluio com a Procuradoria Geral da República, aprofunda o status do regime político golpista em uma verdadeira ditadura. Sob pretexto de combater a extrema-direita, o ministro Alexandre de Moraes, mostrando ser peça-chave da política de “colocar Bolsonaro na linha”, abriu uma investigação apontando “associação criminosa” de três deputados do baixo clero bolsonaristas por gastar verbas de gabinete nos atos da corja de camisa amarela, onde o ministro conceitua serem atos “antidemocráticos”. 

Esse inquérito é, provavelmente, a maior agressão à livre manifestação de ideias feita pelo STF, dessa vez em conluio com a PGR, aprofundando o aparato repressivo do Estado e impondo uma verdadeira censura, que se voltará inevitavelmente contra a esquerda. Isso, juntamente com as prisões arbitrárias, a lei antiterrorismo e a Lei de Segurança Nacional, não combate de fato o fascismo. Na verdade, são medidas ditatoriais, e fortalece o caráter fascista das instituições burguesas, diferentemente do que a esquerda pequeno-burguesa pensa.  

Esses atos por parte do STF, ainda mais da figura do Alexandre de Moraes, que é uma figura de extrema-direita, com ligações profundas com o PSDB, não devem ser apoiadas minimamente. Isso se voltará rapidamente contra a esquerda, no momento em que as massas saírem às ruas contra as péssimas condições de vida exigindo o fim do governo. Qualquer argumento idiota por parte do STF seria facilmente usado para prender dirigentes políticos de esquerda, como dizer que derrubar um presidente “legítimo” seria “antidemocrático”, etc. E isso seria rapidamente colocado contra o interesse popular. 

O método para derrotar a extrema-direita também é uma confusão constante para a esquerda pequeno-burguesa. Toda experiência política e histórica, inclusive até bem recentes, como o dia 31/05, quando as Torcidas Organizadas desfizeram a mobilização fascista, mostra que só a mobilização da população e de suas organizações de luta pode fazer refluir o fascismo, das ruas e consequentemente refluir da política. Nenhuma, absolutamente nenhuma, ação do Estado burguês em direção ao cerceamento do direito à livre manifestação, censura e prisões de cunho político ajuda no combate ao fascismo, de fato. Só ajuda a atrapalhar, pois nada garante que essa decisão do STF não será usada contra algum dirigente do PT, por exemplo, que ajudar a financiar um ato Fora Bolsonaro. 

É imprescindível denunciar isso exaustivamente. Não apoiar nenhum recrudescimento do regime, como esse absurdo, e colocar em marcha uma grande mobilização que seja capaz de quebrar na prática essas arbitrariedades e colocar Bolsonaro para fora.  

Relacionadas