Trabalhadores pagam mais
A inflação está alta e vai subir, mas não aparece nas estatísticas
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Manifestation_of_the_CUT_in_Brasilia
Trabalhadores devem retomar suas lutas | Foto: Wikimedia Commons

O Banco Central produz todo início de semana o Relatório Focus “resume as estatísticas calculadas considerando as expectativas de mercado coletadas até a sexta-feira anterior à sua divulgação” e repercute a opinião de economistas de empresas financeiras e de bancos consultados sobre perspectivas da inflação, PIB e juros, entre outros índices econômicos. Os diretores e executivos do Mercado financeiro informaram ao Banco Central que trabalham com uma taxa de inflação de 4,21% para 2020, acima da meta que é 4%. Assim como continuam achando que a inflação em 2021 será em boa parte do ano acima de 5%. “O centro da meta de inflação foi definido em 3,75% em 2021, podendo chegar a até 5,25% no intervalo de tolerância”. (O Globo, 7/12/20).

Economistas burgueses e agentes do mercado financeiro têm demonstrado preocupação com a inflação um pouco acima da meta inflacionária. Isso porque afetará decisões do Banco Central com respeito à taxa de juros, já que a inflação considerada alta faz o Banco Central abandonar a política atual de redução paulatina da taxa Selic, assim como outras decisões de ordem econômica.

Do ponto de vista dos capitalistas, a taxa de juros é um elemento importante dos cálculos econômicos que afetam a taxa de lucro de cada empresa. A preocupação que os economistas burgueses têm reverberado é que aumentar a taxa de juros em meio a uma recessão tem por efeito aumentar a crise.

Conhecer e compreender a dinâmica das crises capitalistas também uma questão que interessa aos trabalhadores, pois a ação política dos trabalhadores deve também levar em conta os processos reais e suas contradições internas, que mostram as fragilidades do sistema capitalista e sua incapacidade em solucionar suas crises. É importante também observar e compreender que, na prática, como vimos em 2020, a inflação para as “famílias mais pobres foi mais de 10 vezes maior que a alta sentida pelas pessoas mais ricas de janeiro até setembro” (BBC, 21/10/20)

Além do desemprego avassalador, os trabalhadores enfrentaram uma escalada de aumento de preços que não foram detectados e nem considerados pelas estatísticas oficiais, mas estiveram presentes em estudo do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (Ipea). Em outubro o Ipea informava que para os trabalhadores “os impactos dos aumentos no arroz (41%), feijão (34%), leite (30%) e óleo de soja (51%)” geram um empobrecimento maior ainda.

Alguns dos preços que afetam diretamente os trabalhadores são também controlados pelo governo, como ônibus, remédios e saúde. A redução dos aumentos ou seu congelamento podem e devem ser inseridas nas pautas de lutas sindicais e políticas. Ao se retomarem as necessárias e urgentes manifestações de rua, o controle de preços deve ser uma pauta discutida e defendida pelos trabalhadores.

O preço que os trabalhadores pagam nas crises capitalistas é muito elevado, e justamente nesses momentos exige-se mais e mais de sua capacidade de organização e da prática de sua ação política para que possam enfrentar os capitalistas e suas instituições. Caso contrário ficam sujeitos a manobras que aumentam sua subordinação a quem lhes oprime.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas