Economia
Economistas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) destacaram que a inflação dos preços dos alimentos e bebidas seguirá até os meses de março e abril  de 2021.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
SOROCABA, SP - 10.09.2020: ALTA DOS ALIMENTOS NO SUPERMERCADO - Pacotes de arroz na prateleira do supermercado em Sorocaba (SP). Alimentos como arroz, feijão, óleo de soja, macarrão e leite já apresentam alta nos preços e alguns estabelecimentos estão limitando a quantidade por cliente. Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e as associações de produtores terão cinco dias para explicar essa alta praticada no mercado. (Foto: Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1962742
Carestia e dificuldades devem continuar até pelo menos os três primeiros meses de 2021. | Reprodução.
SOROCABA, SP - 10.09.2020: ALTA DOS ALIMENTOS NO SUPERMERCADO - Pacotes de arroz na prateleira do supermercado em Sorocaba (SP). Alimentos como arroz, feijão, óleo de soja, macarrão e leite já apresentam alta nos preços e alguns estabelecimentos estão limitando a quantidade por cliente. Segundo o Ministério da Justiça e Segurança Pública, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) e as associações de produtores terão cinco dias para explicar essa alta praticada no mercado. (Foto: Cadu Rolim /Fotoarena/Folhapress) ORG XMIT: 1962742
Carestia e dificuldades devem continuar até pelo menos os três primeiros meses de 2021. | Reprodução.

Economistas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) destacaram que a inflação dos preços dos alimentos e bebidas seguirá até os meses de março e abril  de 2021. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (IPCA) de novembro demonstrou alta de 0,81% em novembro. Especificamente em relação às bebidas e alimentos, índice IPCA avançou 2,16% em novembro.

O pico da inflação dos preços dos gêneros básicos ocorreu em outubro. Conforme projeção, uma queda dos preços só deve ocorrer em março do próximo ano, quando se espera uma acomodação da economia e uma maior oferta dos produtos em decorrência da colheita de alguns gêneros.

A carestia e as dificuldades para adquirir os alimentos básicos para a maioria dos brasileiros devem se manter.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas