A volta da escravidão
Com 68% da renda comprometida com alimentação, no Brasil, a classe trabalhadora recebe praticamente apenas para poder comer, uma situação análoga à escravidão
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Bolsonaro
Governo Bolsonaro, o principal executor da política de fome aos trabalhadores | Crédito: Reprodução Blog do Esmael

Após registrar queda de 9,7% do PIB (Produto Interno Bruto) no segundo trimestre de 2020, a maior registrada em toda sua história, o Brasil entrou em recessão. De acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a última ocorreu em 2015 e 2016, com a crise das matérias-primas, período, não por coincidência, o do golpe de Estado. Já a atual, tem relação com o consumo e a renda das famílias, que caíram a seus piores patamares históricos também, fazendo com que o país tivesse sua indústria regredida a 2009, um escancarado resultado da política dos golpistas e particularmente da extrema direita bolsonarista.

Isso fica claro também na questão do desemprego. Ainda de acordo com o IBGE, segundo a PNAD-COVID (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – especial coronavírus) a população ocupada – compreendida entre empregados, empregadores, trabalhadores por conta própria e servidores – era de 85,9 milhões no 1º trimestre, até maio, uma queda de 8,3% diante dos três meses anteriores, o que fez com que, pela primeira vez na história do País, menos da metade do total da população em idade de trabalhar estivesse ocupada! Sendo o pior resultado da série histórica, iniciada em 2012.

Diante do massivo desemprego e do rebaixamento salarial, permitido por medidas do governo Bolsonaro, como as MP 936 (do rebaixamento salarial) e 927 (da carteira verde e amarela, sem direito algum), os trabalhadores também se veem confrontados por um inflação oficial que não condiz com a realidade. O que fica claro no aumento dos preços dos itens da cesta básica.

A “prévia” da inflação oficial, medida pelo IPCA-15 (Índice de Produtos ao Consumidor Amplo), soma 2,28% em 12 meses, até agosto. Já o aumento dos preços, em 12 meses, chegou a 12,15% em São Paulo, 14,61% no Rio de Janeiro, 19,18% em Belo Horizonte, 20,97% em Goiânia e 21,44% em Recife, segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudo Socioeconômicos). Que também levantou o dado de que o trabalhador que recebe 1 salário mínimo compromete, em média, 48,85% da sua receita líquida para comprar os alimentos básicos.

Ou seja, uma conta simples mostra que o trabalhador, que ganha um salário mínimo (R$1.045,00) está gastando, na prática, 68% da sua renda com alimentação! Muito superior aos 48,85%. O que mostra que no Brasil, a classe trabalhadora basicamente trabalha para poder comer, nada além disso. É uma situação análoga à escravidão.

Se separarmos os dados por região, a situação fica ainda pior, uma vez que em MG e PE o comprometimento da renda com alimentação ultrapassa os 70%!

Com recessão, o maior contingente de desempregos da sua história, aumento da inflação e o governo concedendo reajuste abaixo da própria inflação oficial, o país vive uma situação explosiva, que o governo procura a todo custo ocultar. No entanto, como não consegue lidar com a crise, o governo vai tropeçando e tentando repassá-la aos trabalhadores de formas distorcidas, como o caso da tentativa de aprovação da renda brasil, que mudaria a forma de financiamento do bolsa família, fazendo com que ele fosse financiado pelos próprios trabalhadores. Quem tem menos daria para quem menos ainda, para que os banqueiros e grandes empresários mantenham seus lucros.

Por isso, é necessário ter um programa para as questões elementares dos trabalhadores, como o desemprego e a perda do poder de compra do salário mínimo. Um programa que faça a frente a crise e proponha uma saída em que os patrões paguem a conta, não os trabalhadores. Para tanto, a questão central, que permite a unidade de todas as reivindicações, da redução da jornada de trabalho para 35h ao salário mínimo vital, é a luta pelo poder político, baseada na campanha pelo Fora Bolsonaro e pela anulação de todos os processos contra o ex-presidente Lula.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas