Terra arrasada
Puxado pelos setores de alimentos e transportes, o IPCA, índice oficial de inflação do País, voltou a crescer
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Por Filipe Castilhos/Sul21
Cédulas de Real | Foto: Reprodução

Puxado pelos setores de alimentos e transportes, o IPCA, índice oficial de inflação do País, voltou a crescer em novembro e ficou acima do esperado pelo mercado. A alta foi de 0,89%, ante 0,86% em outubro. É o resultado mais alto para o mês desde 2015, quando ficou em 1,01%.

Com isso, o acumulado em 12 meses ficou em 4,31% e ultrapassou o centro da meta perseguida pelo Banco Central, de 4%, segundo dados divulgados nesta terça-feira, 8, pelo IBGE. No acumulado de janeiro a novembro, o índice está em 3,13%.

IPCA (índice de preços do consumidor amplo) teve o maior índice já registrado desde 2002, quando bateu 1,31%. A alta se justifica pelo aumento dos valores dos alimentos e do transporte. Os dados divulgados pelo IBGE se referem as famílias com renda de um a quarenta salários mínimos, ou seja, ataca toda a parcela mais pobre da população em itens de consumo de primeira necessidade. Para a classe trabalhadora brasileira sobreviver esta cada vez mais difícil, a inflação está nas alturas e o reflexo disso se da no custo de vida. Uma simples ida ao mercado consome quase toda a renda do povo; que já é baixíssima.

A pandemia gerou confinamento parcial da população e mostrou queda do consumo. Então, como explicar a inflação? O mais provável é que a grande desvalorização do real frente ao dólar foi a causa, porque a maioria dos insumos utilizados na agricultura são importados.

A desvalorização do real é consequência da política, ou melhor, da falta de política do governo Bolsonaro, que além de nada fazer para enfrentar as crises econômica e da saúde, fez apenas transferir 1,2 trilhões aos bancos e grandes empresas, enquanto retirava dos trabalhadores grande soma em benefícios sociais, previdenciários, trabalhistas e redução dos salários. E ainda reduziu os estoques de produtos do governo, cujo objetivo era regular os preços no mercado.

Aumentou a crise social deixando o governo em completa instabilidade, uma bomba relógio pronta a explodir a qualquer tempo. Diante do caos, e taxa de lucros duvidosas, os investidores retiraram seus montantes especulativos, fazendo com que o real se desvalorizasse com a falta de dinheiro no sistema.

E por isso o povo enfrenta a pior inflação nos últimos 17 anos, desde a gestão do FHC (PSDB), governo que deixou o país na mais completa miséria para os trabalhadores, sem empregos, inflação altíssima e privatizações que não resolveram a falta de recursos do Estado, como a agravaram.

Evidentemente não resolveria mesmo, já que naqueles tempos como agora também, o problema central é a dívida pública que através dos juros exorbitantes retiram cerca de 47% da arrecadação do estado, e rouba dos trabalhadores sua renda, já que são eles que pagam a quase totalidade dos impostos. Os ricos não são tributados, nem as grandes fortunas. Cerca de 70% dos impostos arrecadados vem dos trabalhadores com renda de até 5 mil reais.

Na semana passada, o banco Credit Suisse patrocinou um evento para discutir as estratégias e visão dos banqueiros para a América Latina, em 2020. Sobre o Brasil, o debate ficou por conta dos economistas neoliberais Gustavo Franco, Armínio Fraga e Pérsio Arida, que apresentaram suas avaliações sobre Bolsonaro.

Em que pese diferenças pontuais entre cada um, os três foram unânimes em defender um neoliberalismo mais agressivo para o Brasil. Ficou claro que entre os principais representantes do capitalismo financeiro internacional que parasita o país, que Bolsonaro não é o candidato favorito, mas um “casamento de conveniência”, nas palavras de Gustavo Franco. Segundo este, que foi presidente do Banco Central durante as duas gestões de FHC, e assessor de João Amoêdo (Novo) nas últimas eleições, Bolsonaro desconhece e se desinteressa pela Economia, mas conta com o assessoramento de Paulo Guedes. O arranjo está funcionando, mas de maneira um pouco precária.

Arida, que foi assessor da campanha presidencial de Geraldo Alckmin (PSDB), considerou que Bolsonaro está sendo muito menos liberal do que o prometido. Este banqueiro queria maior “abertura comercial”, ou seja, facilitar a entrada de produtos estrangeiros baratos que quebram a indústria nacional. Ele também se decepcionou com as privatizações, que foram em número menor do que o esperado. Arida também reclamou que Bolsonaro não deveria simplesmente diminuir o FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador), pois estes fundos não deveriam mais existir. O economista ressaltou que esta “falta de neoliberalismo” não é culpa do Congresso, mas das próprias propostas de Bolsonaro, que são muito “tímidas”, e colocam Bolsonaro num patamar “tão estatizante quanto a própria esquerda.”

Armínio Fraga, que foi apontado como possível Ministro da Fazenda de Aécio Neves (PSDB), caso vencesse em 2014, não deixou por menos, e disse que é necessário dar continuidade às “reformas”, como a previdenciária, reduzindo “gastos com funcionalismo e subsídios excessivos,” ou seja, demitindo e abaixando os salários.

Os três discursos mostram que os economistas cotados pela direita dita “civilizada” podem ser até mais nocivos do que os governos abertamente fascistas, como o de Bolsonaro. Bolsonaro foi a opção disponível, já que seus candidatos favoritos não chegaram nem perto do segundo turno. Mas estes representantes diretos da grande burguesia continuarão pressionando para que a política econômica seja duríssima e aprofunde a exploração do trabalhador.

Ao invés de procurar o “menos pior”, a esquerda deve parar de flertar com estes neoliberais, chamados eufemisticamente de “centro-direita”. É preciso um programa de luta, não meramente eleitoral, para derrubar o regime e tirar do poder esta quadrilha parasitária.

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas