Carestia
Dados do IPCA divulgados pelo IBGE na última sexta-feira (6 demonstram uma alta nos principais gêneros básicos da alimentação das famílias brasileiras
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
super
Disparada no preço dos gêneros básicos penaliza as famílias trabalhadoras | Foto: Reprodução

Conforme dados do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na última sexta-feira (6), o preço dos gêneros alimentícios experimentaram uma escalada muito expressiva no decorrer deste ano.

O preço do arroz nos supermercados subiu 49,48%. O óleo de soja teve uma impressionante alta de 77,59%. O principal acompanhamento do arroz no prato dos brasileiros, o feijão, subiu 12,08%.

As carnes de segunda encareceram mais do que os cortes de primeira. O problema é que estas últimas não cabem no bolso de muitos trabalhadores, que acabam optando pelas primeiras. Na atual situação, o trabalhador fica com dificuldades de comprar carnes.

O músculo teve alta de 14,75% e o acém subiu 10,60%. O cupim subiu 12,49% e a costela 19,38%.

Os itens que são usados como substitutos para as carnes citadas também ficaram mais caros. O preço dos ovos subiu 7,09%. frango 8,42%, tainha 38,35% e a linguiça 15,14%.

Ainda que o preço do filé mignon tenha caído 17,51% e a alcatra 5,25%, essas carnes em geral não cabem no bolso da esmagadora massa de trabalhadores.

A política econômica do governo Jair Bolsonaro (ex-PSL, sem partido) está levando ao caos na vida da população brasileira. O aumento do preço dos alimentos ocorre no contexto de desemprego generalizado e aumento da miséria, penalizando ainda mais as famílias trabalhadoras. Os salários, que não têm tido aumento e sequer reajuste de acordo com a inflação, perdem o poder de compra de forma acelerada. É importante destacar que os salários de diversas categorias de funcionários públicos, bem como dos trabalhadores em geral, estão congelados.

O sentido da política neoliberal de Bolsonaro e Paulo Guedes é transferir todos o ônus da crise econômica capitalista para as costas da classe trabalhadora. Conforme se verifica a deterioração das condições de vida das massas populares, um pequeno grupo de capitalistas vê seus lucros aumentarem exponencialmente. A especulação com os gêneros básicos, cada vez mais caros e inacessíveis, é uma fonte de lucro de setores da burguesia que se beneficiam da crise.

É preciso mobilizar os sindicatos, partidos de esquerda e as organizações populares pela escala móvel de salários e pela formação de comitês de controle de preços e abastecimento. Os salários devem ser protegidos da corrosão causada pela inflação e os trabalhadores devem controlar, por meio de suas organizações próprias, o abastecimento dos gêneros básicos e combater a especulação.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas