Expropriação burguesa mata
Duplo crime cometido pela burguesia europeia demonstra, mais uma vez, a natureza espúria do capitalismo
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
28fev2020---preocupada-com-coronavirus-turista-usa-mascara-de-protecao-perto-do-coliseu-em-roma-uma-das-principais-atracoes-turisticas-da-italia-1582916938732_v2_1920x1289
Pelo menos 169 mil mortos e quase US$6 bi dedicados a previnir epidemias expropriados dos europeus | Foto: Arquivo-DCO

O programa Innovative Medicines Initiative (IMI) foi criado em 2008 unindo burocratas da Comissão Europeia e lobistas da poderosa Federação Europeia de Associações das Indústrias Farmacêuticas (EFPIA, na sigla em inglês) para financiar “necessidades médicas ou sociais não conhecidas”. Com um orçamento de €5,3 bilhões (US$5,8 bilhões), o IMI deveria deixar a União Europeia preparada para enfrentar epidemias como o coronavírus , em uma parceria público-privada que, na prática, revelou-se um esquema muito típico do capitalismo.

Conforme denúncia divulgada pelo sítio Corporte Observatore Europe, as empresas usaram a fortuna conseguida pelo acesso privilegiado aos cofres públicos da Europa para pesquisar drogas destinadas ao diabetes e doenças relacionadas ao Alzheimer e câncer, um gigantesco desvio da premissa básica do programa, dado que medicamentos para estas doenças já contam com boa cobertura de pesquisas, e não por acaso mas devido à lucratividade que estas enfermidades trazem às farmacêuticas.

Ainda, a emergência do coronavírus demonstra de maneira muito clara que a suposta preparação ao enfrentamento de epidemias fracassou miseravelmente. Com pelo mais de 1,8 milhão de infectados pelo coronavírus, dos quais mais de 169 mil mortos até o último 25 de maio, fica evidente o tamanho do desprezo da indústria pela biosegurança pretendida mas não podemos esquecer outro setor com grande responsabilidade neste verdadeiro crime.

É até uma pergunta óbvia, afinal, os burocratas não viram que as empresas agrupadas pela EFPIA estavam simplesmente embolsando o dinheiro, destinado a preparar a Europa para enfrentar uma epidemia? Quem acredita nisso, acredita em tudo. E se responsabilidades legais podem ser de difícil atribuição, o mesmo não se pode dizer da natureza política do crime cometido pela burguesia.

Sendo a indústria farmacêutica controlada pelos grandes tubarões do capitalismo, os banqueiros das nações imperialistas, o controle da burguesia sobre o aparelho burocrático do Estado se revela de maneira muito cristalina em escândalos como este, ainda mais criminosos quando analisados sob o duplo descaso ocorrido na supostamente civilizada Europa.

O escândalo de corrupção ocorrido no âmbito da União Europeia revela ainda o equívoco em destinar verba pública para abastecer empresas capitalistas, especialmente em um setor de fundamental interesse social, o que implica na necessidade da estatização da indústria farmacêutica, que finalmente, já é financiada com dinheiro público. Para garantir que o interesse social se imponha, estas empresas devem também ser entregues aos trabalhadores, os únicos realmente interessados em orientar a produção farmacêutica às necessidades da população.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas