Repressão estatal
“Garantir a segurança” é o pretexto mais utilizado para legitimar a opressão estatal sobre a população. A direita tem se utilizado da pandemia para cassar os direitos democráticos.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
ARB_5157_19062019_Foto_AndreaRegoBarros
A indústria da multa não entra em quarentena e nem conhece crises. Foto: Fandréa Rêgo Barros |

Na capital pernambucana, a pandemia do vírus corona tem servido de pretexto para aumentar a ação repressiva do Estado sobre a população. Os guardas de trânsito continuam aplicando as multas nas ruas da cidade. Não há conversa. Nas cidades vizinhas de Jaboatão e Olinda os motoristas também estão na mira.

A indústria da multa, que alimenta uma série de máfias encrustradas no Estado, não entra em quarentena e não conhece crises. As multas são outro pretexto do Estado (“garantir a segurança”) para extorquir milhões de reais dos trabalhadores, sem nenhuma possibilidade de os mesmos se defenderem. Os mesmos governos não garantem condições mínimas de vida para a população, mantendo redes  de educação e saúde precárias,  querem alegar que têm preocupação em protegê-la.

A epidemia é mais um pretexto para cassar direitos e aumentar a opressão e o controle estatal sobre a população. Garantir a “segurança da população e salvar vidas” é o último salvo-conduto que os governos têm dado a si mesmos, com apoio da burguesia, dos meios de comunicação e setores da classe média. Em diversas cidades e Estados, a liberdade de circulação está extinta, os cidadãos tem seus celulares monitorados pelos órgãos governamentais, os espaços públicos estão fechados e a polícia recebeu poderes absolutos para abordar e prender os cidadãos, inclusive chegou a entrar em casas sem mandado judicial.

Os direitos democráticos visam proteger os cidadãos da ação arbitrária do Estado, que é uma máquina poderosa de opressão. Sob nenhum pretexto deve-se permitir a cassação destes direitos. A extrema-direita fascista, que controla o Estado, se aproveita da situação para implementar uma ditadura. A repressão estatal não pára, pelo contrário, se fortalece nas crises.

As organizações populares, operárias e os partidos de esquerda não devem aceitar a cassação dos direitos democráticos do povo, sob nenhum pretexto. Se a extrema-direita avançar, o povo terá de amargar uma repressiva ditadura militar.

 

 

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas