HAMBURGUER_1
SHARE
COMANDO DE GREVE

Na crise, a saída é demitir?

Indústria automobilística deve demitir 3.200 até junho

Gigantes multinacionais aproveitam a crise e aprofundam ataques aos trabalhadores, demitindo em massa, jogando trabalhadores à própria sorte na pandemia.

Tempo de Leitura: < 1

Operários da Renault entraram em greve na terça (21) contra demissões – Foto por: Divulgação/sindicato dos metalúrgicos Curitiba

Publicidade

Após anunciar uma série de demissões nos últimos 3 meses as montadoras automobilísticas do país podem ter chegado a 3.200 demissões no primeiro semestre de 2020.

A informação é da própria Anfavea, organização que é uma espécie de sindicato dos proprietários das montadoras, que divulgou os dados das demissões do setor no primeiro trimestre e dos últimos meses, antecipando a divulgação do 2º trimestre.

Nesta segunda (20), a Renault anunciou a demissão de 747 operários em sua fábrica em São José dos Pinhais-PR, o que levou os demais 7.000 trabalhadores a uma greve nesta terça (21). A Nissan, no Rio de Janeiro, demitiu em Junho 398 trabalhadores, a Toyota demitiu 49, a Caoa Chery demitiu mais 59 em março, entre outros casos.

O setor da indústria automobilística tem sido um dos que mais recebeu incentivos fiscais e de outras formas do Estado brasileiro nos últimos anos, mas nada disso impede que as gigantes multinacionais demitam, como destacou o presidente dos metalúrgicos da grande Curitiba, Sérgio Butka, ao anunciar a paralização da categoria na Renault:

“Queremos que a empresa cumpra a sua obrigação por estar recebendo incentivos fiscais do estado e, por contrapartida, deveria estar mantendo o emprego de todos os trabalhadores”

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Populares na Rede
[wpp range="last24h" limit="3"]
NA COTV

A Frente Popular na França, por Rui Costa Pimenta - Universidade Marxista nº 409

46 Visualizações 51 minutos Atrás

Watch Now

Send this to a friend