Menu da Rede

Gás a R$100 é culpa da privatização imposta pelos golpistas

Carta aberta

Indígenas repudiam visita anunciada de Bolsonaro à Terra Yanomami

Em carta divulgada no último dia 15 de maio, os Yanomami dizem que a decisão de repudiar a visita presidencial é coletiva e legítima.

Contra a invasão de garimpeiros – Reprodução

Por Brasil de Fato

Indígenas Yanomami repudiaram a intenção de Jair Bolsonaro de viajar nesta quinta-feira (27) à comunidade Maturacá, no município de São Gabriel da Cachoeira (AM). A região fica próxima à fronteira com a Venezuela. 

O anúncio foi feito pelo próprio presidente da República, em uma live transmitida no dia 29 de abril, e não foi confirmado oficialmente pelo Palácio do Planalto, que não havia divulgado a agenda presidencial da próxima quinta até a publicação desta reportagem.

Na live, Bolsonaro – defensor da regularização da atividade garimpeira em território indígena – disse que planeja visitar um pelotão de fronteira do Exército (PEF) que fica no limite da terra Indígena Yanomami, “para conversar com indígenas” e “aterrissar” em um garimpo ilegal (que fica dentro do território indígena). Jair Bolsonaro nunca visitou uma Terra Indígena. 

Na mesma live em que Bolsonaro prometeu a visita ao Território Indígena, o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Marcelo Xavier, defendeu legalizar o garimpo em área indígena.

Em carta divulgada no último dia 15 de maio, os Yanomami dizem que a decisão de repudiar a visita presidencial é coletiva e legítima. 

O documento, assinado pelo presidente da Ayrca (Associação Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes), José Mario Góes, pela presidente da Kumirayoma (associação de mulheres), Erica Figueiredo, e por outros quatro líderes locais, explica o posicionamento da comunidade. 

“Nós, caciques, líderes e povos, habitantes originários milenar do território, comunidades Ariabú, Maturaca, Nazaré, Inambu, Cachoeirinha, Ayar, e Maiá novamente reiteramos nossa posição legítima em repudiar visita do presidente senhor Jair Messias Bolsonaro no nosso território Yanomami.” diz o documento. 

Para os indígenas, a intenção da visita é “tratar e tentar acordar conosco a legalização de mineração no território Yanomami, portanto, essa não é a nossa ansiedade”. 

“Ao contrário disso, exigimos que o governo deve implementar ações de fiscalização de forma contínua nos entornos, limites dos territórios indígenas já demarcados, registrados e homologados, para proteger os povos indígenas”, continuam. 

Para os Yanomami, o governo deveria retirar os invasores do território em caráter de urgência e garantir a saúde dos povos e da “Terra Mãe”. 

“Não aceitamos legalização de atividades mineradoras em nossas terras. Essa ação mineradora, entendemos, não trará benefício para nenhum de nós indígenas Yanomami, a fim de suprir necessidade essencial, ou seja, prioritária, tanto presente quanto futuro”, explicam, na carta escrita por eles em português. Veja a íntegra do documento abaixo.

534bb814ab484047f720ffbfd877e735
Carta aberta Yanomami direcionada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) / Reprodução

631fd4ea74c1846c52f11b72bfa1423a
Carta aberta Yanomami direcionada ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) / Reprodução

 O documento também exige que seja dada condições e recursos necessários para os Distritos Sanitários Especiais Indígenas (unidades de atendimento e saúde) que existem no Estado Brasileiro e atendem e prestam serviços às comunidades indígenas. 

Segundo os indígenas, por falta de assistência adequada, moradores de comunidades de difícil acesso não são assistidos pelo sistema de saúde instalado. 

Na cultura Yanomami, não há decisão individual e, sim, coletiva. Dessa forma, os indígenas se manifestam coletivamente contra o anúncio de visita de Bolsonaro. 

“Essa diferença de organização social e governança do território deve ser respeitada pelo governo. […] Nós Yanomami, por estarmos insatisfeito da visita de locais de garimpo ilegal, novamente ratificamos posição de repudio. É legítima a posição Yanomami”, finaliza a carta. 

A você que chegou até aqui,

agradecemos muito por depositar sua confiança no nosso jornalismo e aproveitamos para fazer um pequeno pedido.

O Diário Causa Operária atravessa um momento decisivo para o seu futuro. Vivemos tempos interessantes. Tempos de crise do capitalismo, de acirramento da luta de classes, de polarização política e social. Tempos de pandemia e de política genocida. Tempos de golpe de Estado e de rebelião popular. Tempos em que o fascismo levanta a cabeça e a esquerda revolucionária se desenvolve a olhos vistos. Não é exagero dizer que estamos na antessala de uma luta aberta entre a revolução e a contrarrevolução. 

A burguesia já pressentiu o perigo. As revoltas populares no Equador, na Bolívia e na Colômbia mostraram para onde o continente caminha. Além da repressão pura e simples, uma das armas fundamentais dos grandes capitalistas na luta contra os operários e o povo é a desinformação, a confusão, a falsificação e manipulação dos fatos, quando não a mentira nua e crua. Neste exato momento mesmo, a burguesia se esforça para confundir o panorama diante do início das mobilizações de rua contra Bolsonaro e todos os golpistas. Seus esforços se dirigem a apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe, substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular. O Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra a burguesia, sua política e suas manobras. 

Diferentemente de outros portais, mesmo os progressistas, você não verá anúncios pagos aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos de maneira intransigente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Trabalhamos dia e noite para que o DCO cresça, se desenvolva e seja lido pelas amplas massas da população. A independência em relação à burguesia é condição para o sucesso desta empreitada. Mas o apoio financeiro daqueles que entendem a necessidade de uma imprensa vermelha, revolucionária e operária, também o é.  

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com valores a partir R$ 20,00. Obrigado.

SitesPrincipais
24h a serviço dos trabalhadores
O jornal da classe operária
Sites Especiais
Blogues
Movimentos
Acabar com a escravidão de fato, não só em palavras
Cultura

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Diferentemente de outros portais , mesmo os progressistas, você não verá anúncios de empresas aqui. Não temos financiamento ou qualquer patrocínio dos grandes capitalistas. Isso porque entre nós e eles existe uma incompatibilidade absoluta — são os nossos inimigos. 

Estamos comprometidos incondicionalmente com a defesa dos interesses dos trabalhadores, do povo pobre e oprimido. Somos um jornal classista, aberto e gratuito, e queremos continuar assim. Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.

Quero saber mais antes de contribuir

 

Apoie um jornal vermelho, revolucionário e independente

Em tempos em que a burguesia tenta apagar as linhas que separam a direita da esquerda, os golpistas dos lutadores contra o golpe; em tempos em que a burguesia tenta substituir o vermelho pelo verde e amarelo nas ruas e infiltrar verdadeiros inimigos do povo dentro do movimento popular, o Diário Causa Operária se coloca na linha de frente do enfrentamento contra tudo isso. 

Se já houve um momento para contribuir com o DCO, este momento é agora. ; Qualquer contribuição, grande ou pequena, faz tremenda diferença. Apoie o DCO com doações a partir de R$ 20,00 . Obrigado.