Protestos continuam
“Aqueles que protestam hoje nas ruas não aceitam mais um modelo econômico e social que gera riqueza para poucos e pobreza para a maioria”, diz o CRIC
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
EMEipuyXsAclfAl (1)
CRIC vai reforçar os protestos contra o governo de Iván Duque. Foto: Reprodução Telesur/PL |
Bogotá, 18 dez (Prensa Latina) Num contexto marcado pelos protestos antigovernamentais na Colômbia, o Conselho Regional Indígena do Cauca (CRIC) afirmou hoje que fortalecerá a mobilização com a participação das comunidades.
Desde o início da greve nacional (em 21 de novembro passado), fortalecemos este processo, desde nossa dinâmica organizativa como minga (assembleia) do sudoeste colombiano fortaleceremos a mobilização com a participação das comunidades, as autoridades indígenas e a guarda indígena, a vida, o território e os direitos, disse.

As 126 autoridades indígenas, declaramos em assembleia permanente, vigilantes que o governo atenda a demanda social, enfatizou.

O CRIC recusou ‘o tratamento militar do protesto social e defendemos mudanças profundas nas concepções de segurança do atual governo que, ancoradas na segurança nacional e/ou na segurança democrática, veem à população como um inimigo interno’.

Por isso compartilhamos as exigências do desmonte do Esquadrão de choque e da transformação da polícia nacional de acordo com a função de segurança dentro de um sistema democrático que respeite a expressão e organização cidadã, garante a vida e não uma ameaça para a mesma, comentou.

Aqueles que protestam hoje nas ruas não aceitam mais um modelo econômico e social que gera riqueza para poucos e pobreza para a maioria, um sistema econômico que lucra com nossos territórios e ecossistemas. Além disso, coloca em risco nosso futuro e as possibilidades de vida, num mundo insensível e ligado ao capitalismo, afirmou.

Na opinião do Conselho, ‘nossa dignidade e reconhecimento como pessoas estão a reduzir à importância do capital como gerador de riqueza e na atribuição dos recursos através do mecanismo do mercado, numa reforma tributária onde se perde o valor dos indivíduos para dar valor as empresas’, disse em referência a essa iniciativa que está a ser debatida pelos congressistas.

Outro mundo é possível apenas mudando essas políticas econômicas e sociais que nos humilham e ignoram, só alterar aqueles que até agora têm governado com base nos interesses pessoais. Por isso é necessário conservar a unidade que temos construído e que hoje se irradia no povo colombiano, concluiu.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas