Indígenas fecham estradas e ocupam prédios públicos em todo o País contra o governo Bolsonaro
indigenas sesai
Indígenas fecham estradas e ocupam prédios públicos em todo o País contra o governo Bolsonaro
indigenas sesai

Da redação – Nesta manhã de quarta-feira (27), indígenas de todos os estados do País se mobilizaram contra o governo Bolsonaro e a destruição do sistema de saúde prestado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para os povos indígenas.

Centenas de rodovias estão bloqueadas e diversos prédios públicos foram ocupados por indígenas para lutar contra Bolsonaro e os golpistas e sua política de terra arrasada. A gota d`água para ocorrer a mobilização nacional indígena foi a proposta de municipalização da saúde indígena e o desmonte da Secretaria Saúde Indígena (Sesai), ligada ao SUS. A proposta é o agravamento da destruição do SUS e de privatizar a saúde indígena, além de colocar a saúde nas mãos dos municípios que não conseguem dar suporte à saúde. A proposta também coloca os indígenas nas mãos de políticos tradicionais locais que vão se utilizar desse processo para atacar os indígenas.

Foram grandes mobilizações e participação de grande parte das etnias brasileiras. Em São Paulo, os Guaranis realizaram um ato em frente à prefeitura e ocuparam em protesto. No Ceará, as 15 etnias que vivem no estado bloquearam as rodovias federais e o auge foi na BR 222, onde aproximadamente 2.000 indígenas participaram.

Em Curitiba/PR, os indígenas ocuparam a sede do Ministério da Saúde no centro da Capital. Grandes atos ocorreram na Bahia, Pernambuco, Amazonas, Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul.

Em alguns locais houve enfrentamento entre a polícia e os indígenas, que prontamente se colocaram de maneira mais agressiva para conter a violência policial.

A ação nas ruas, e não no parlamento, é a única maneira concreta de derrotar o governo ilegítimo e golpista de Jair Bolsonaro e os militares. O governo foi colocado no poder de maneira fraudulenta para retirar os direitos indígenas, invadir suas terras e destruir o SUS.

Essa mobilização nacional é um exemplo de como combater os golpistas e deve ser ampliada e colocada de maneira permanente, juntamente com outros setores da população, como trabalhadores sem-terra e da cidade para derrotar o governo fascista de Bolsonaro.