O país das chacinas
Mais um episódio de violência estatal da ditadura de Ivan Duque as populações do campo, índios, camponeses e ex-guerrilheiros
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
FILE PHOTO - A fighter of the Revolutionary Armed Forces of Colombia (FARC) arrives at a camp, near El Diamante in Yari Plains, Colombia, September 16, 2016. REUTERS /John Vizcaino/File Photo
Homem armado na Colômbia | Foto: Reprodução.

A Comissão de Direitos Humanos dos Povos Indígenas da Colômbia denunciou, nesta sexta-feira (16) as novas ações de violência governamental e paramilitar contra suas comunidades que resultaram, esta semana, em pelo menos um desaparecido e um assassinado, como ações repressivas da Polícia local.

Lideranças indígenas desaparecidas

Desde 13 de outubro, o líder indígena Félix Antonio Hernández Alcalde, do povo Embera Chamí de Caldas, está desaparecido na cidade de Cali (450 km a sudoeste de Bogotá), que participa do Suroccidental Minga e não foi visto novamente desde então.Enquanto isso, na noite de 14 de outubro, Erlin Forastero Undagama, professor e governador da comunidade indígena de Tierra Alta, rio Pichinde, município de Alto Baudo, Chocó (311 km a leste de Bogotá) foi assassinado.

O incidente ocorreu na sede do município de Pie de Pató (545 km a leste de Bogotá), quando os governadores indígenas participaram de uma reunião convocada pelo prefeito local daquela entidade territorial. O grupo de Direitos Humanos dos Povos Indígenas denuncia que o assassinato de Forastero ocorreu nas mãos das chamadas Autodefesas Gaitanistas da Colômbia (AGC), grupo armado irregular que opera no oeste do país.

Uma ditadura escancarada

A verdade é que hoje a Colômbia é um paraíso para grupos paramilitares financiados pela extrema-direita e latifundíários. É um dos países mais violentos do mundo e isso vem intensificado com o governo do fascista Iván Duque, que é um espécie de Bolsonaro colombiano.

O assassinato de políticos das Farcs e da população na Colômbia acontecem de forma coordenada pelo Estado. Aapós quatro anos do Acordo de Paz, mais de mil líderes sociais foram mortos. Desde 2016, além dos 230 ex-combatentes, 1.008 lideranças sociais foram mortas sob a tutela de governos de direita.

A decisão das FARC-EP de deixar as armas em busca de um acordo com a burguesia se mostrou uma capitulação no mínimo equivocada. A violência contra a oposição de esquerda não cessou e pelo contrário tem se intensificado.

O país das chacinas

A Colômbia se converteu num verdadeiro campo de extermínio. Um Estado assassino e terrorista, onde ex-guerrilheiros anistiados, camponeses, defensores dos direitos humanos, indígenas, jovens estudantes, ambientalistas, ativistas sociais e qualquer pessoa que contaria a política de extrema-direita de Iván Duque, um capacho dos Estados Unidos, são sumariamente assassinados pelas forças estatais e paraestatais.

É preciso que toda a esquerda latino-americana denuncie veementemente o que está ocorrendo na Colômbia, uma espécie de laboratório de ensaio para os demais países do continente, onde fica nítido que não existe a mínima possibilidade de conciliação das forças de esquerda de consciência política avançada com um governo de extrema-direita subjugado ao imperialismo norte-americano.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas