Organizar auto defesa já!
A solução não virá das instituições da burguesia que é a responsável por toda a precariedade em que se encontram os povos indígenas justamente para garantir seus interesses
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
kaa
Indígenas Ka'apor reagindo a invasão de madeireiros em 2014 | Foto: Reprodução

Na segunda-feira passada (03), mais um indígena foi morto no Maranhão. Kwaxipuru Kaapor foi assassinado com pancadas de ferro na cabeça e seu corpo foi encontrado no limite do território Indígena Alto Turiaçu com a cidade de Centro do Guilherme. O acontecimento é resultado direto do avanço da extrema direita no país e se soma aos demais ataques ao povo indígena de conjunto.

Kwaxipuru Kaapor fazia parte da etnia Ka’apor que vivem junto com Awá-guajá no território indígena Alto Turiaçu, que assim como a maioria esmagadora das terras indígenas no Brasil vivem sistematicamente ameaçados por grupos relacionados com a burguesia, que tentam invadir seus territórios, como madeireiros, caçadores, grileiros, grandes traficantes de drogas, etc.

Os Ka’apor além de sofrerem com as ameaças e o terror propagado pela direita que é responsável pelo assassinato de Kwaxipuru e de tantos outros índios há décadas; agora se encontram ainda mais vulneráveis em meio à epidemia do coronavírus que está liquidando os indígenas graças a falta de qualquer apoio eficiente do estado.

Em vídeo gravado pelo cacique Irakadju Ka’apór após o assassinato, o líder indígena faz um apelo às autoridades: “Antes de ontem, aconteceu um assassinato de um parente Ka’apor no município de Centro do Guilherme. Sempre a gente faz denúncia, manda para as autoridades, que têm muita dificuldade de atender nossa demanda.”

Pelo relato do cacique fica claro o total desprezo do estado burguês aos povos indígenas que são largados a própria sorte sem as minimas condições de vida e sob constante ameaça dos fascistas. Ao contrário do que o cacique entende, não se trata de “dificuldades” para atender as demandas dos Ka’apor ou quaisquer outros povos indígenas, mas sim da total falta de interesse dos setores da burguesia e da direita que comandam o estado em solucionar os problemas desses povos.

As autoridades burguesas não vão se mover minimamente em favor dos indígenas, muito pelo contrário é a própria burguesia a responsável por toda a precariedade em que se encontram os índios de todo o país, sendo cada vez mais explorados, sucateados e perseguidos para manter os interesses da dessa burguesia; o que também está intimamente ligado com a ascensão da direita ao poder desde o golpe.

Desta forma, esperar que órgãos da burguesia venham em apoio é pura ilusão. A unica forma de barrar as investidas da direita que assassinou o membro dos Ka’apor e que mantém os indígenas em situação cada vez pior, é travar uma luta real contra a burguesia, assim como pelo Fora Bolsonaro e todos os golpistas.

Esta mobilização deve abranger, inclusive, a organização de grupos de auto defesa e de conselhos dentro dos territórios indígenas para que os próprios índios se protejam das ameaças e ataques e trabalhem em mobilização permanente para exigir que todas as suas necessidades sejam atendidas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas