Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
image_large
|

O incêndio, podemos dizer, criminoso, do edifício ocupado no Largo Paissandu, no centro de São Paulo – que resultou no seu desabamento, deixando mortos, feridos e centenas de desabrigados –  desencadeou de imediato uma verdadeira perseguição política aos movimentos de moradia e a auto-organização dos explorados por parte da burguesia golpista. Querem submeter a auto-organização dos explorados a fiscalização e gerenciamento dos exploradores.

A burguesia lançou seu ataque através da vil imprensa capitalista, através de uma perfídia, quiseram “incriminar” a organização do movimento LMD (Movimento por Moradia Digna) pelos métodos e auto-organização e autofinanciamento do movimento ou que atribuem ao movimento. independentemente, é um ataque frontal e uma tentativa direita de intervir nos movimentos sociais e nas organizações dos explorados.

Um direitista colunista da Folha de São Paulo, conhecido por sua ignorância profunda sobre qualquer coisa, por sua torpeza, uma verdadeira escória humana, comparou compra o movimento a milicias do Rio de Janeiro,  que é significativo do que prepará a burguesia contra as organizações dos trabalhadores.

O mesmo capacho dos capitalistas lançou outra perfídia, em sua coluna no mesmo jornal golpista, para atingir o Partido dos Trabalhadores e seus militantes. Baseado em supostas conversas de WhatsApp, esse indivíduo que não é  mais que uma poeira de humanidade, insinua que a líder de uma outro movimento, o MMPT ( Movimento Moradia para Todos), Ednalva Franco, também militante do PT, estaria praticando, junto a direção do ,movimento algo como extorsão, bem como enriquecendo com o movimento. Acusações sem nenhum fundamento, cujo objetivo é apenas  atingir as organização dos explorados.

É necessário defender estes movimentos contra a burguesia e em favor da total e completa autonomia das organizações dos explorados do Estado capitalista. Não cabe a ao Estado, em a imprensa capitalistas, nem a burguesia fiscalizar ou intervir na organização própria – isso em todos os seus aspectos, mas principalmente no financeiro – dos do movimento operário, dos movimentos sociais dos partidos políticos, em suma das organizações de luta do povo.    

Diferentemente, do que fez o candidato abutre Guilherme Boulos – que se disse solidário, porém ressaltou energicamente, diante da pressão da burguesia, que seu movimento não realiza as tais  “práticas” que a burguesia tanto condena, o que mostra seus caráter conciliador e capitulador – é necessário defender e defender incondicionalmente as organização e sua autonomia diante do Estado.

Logicamente, que essa é uma campanha que tomará muito maior vulto, a burguesia procurará atingir as organizações dos trabalhadores, como sindicatos, partidos, movimentos etc, sob a cínica justificativa de combater a “corrupção” dentro das organizações. Primeiro são os movimentos de moradia, depois todas as organizações operarias e camponesas. Não aceitaremos, as finanças e tudo que diz respeito a organização dos  trabalhadores diz respeito apenas as mesma e não deve ser objeto em nenhuma hipótese da interferência dos Estado.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas