Inimigos do povo
PM é inocentada em mais um massacre, e policiais assim recebem indiretamente licença para matar.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Paraisopolis_04_12_arroyo-9
PM precisa ser dissolvida. Foto: Daniel Arroyo/Ponte Jornalismo |

O massacre de Paraisópolis, realizado por ação da Polícia Militar no primeiro dia de dezembro de 2019, foi arquivado pela Corregedoria da PM paulista, inocentando a ação dos 31 policiais, que como comprovam os relatos e vídeos do local, agiram de forma brutalmente repressiva contra o povo pobre e jovem que se fazia presente no baile da DZ7.

Utilizando-se de bombas, dispersando os presentes com violência física, os polícias foram responsáveis pela morte de nove pessoas, todas jovens, algumas menores de idade, que simplesmente passavam a noite em um dos mais populares eventos da região.

5 mil pessoas se divertiam no local quando foram surpreendidas pela ação criminosa da PM. O órgão de repressão viria mais tarde justificar o fato em nome da típica “perseguição com trocas de tiro” que supostamente teria acontecido, e levado com que a PM, ao perseguir dois jovens matassem outros nove, e dispersasse um baile com cerca de 5 mil pessoas, causando um grande alvoroço.

Claramente, a PM é um aparelho fascista organizado pelo Estado brasileiro. Um órgão de repressão que não se baseia em ações isoladas, ou promovidas por alguns indivíduos, mas sim, de uma organização estruturada de cima a baixo com base em uma dura política de repressão, massacre e esmagamento do povo pobre e trabalhador.

Ao ouvir-se os relatos das famílias que perderam seus filhos nas mãos da PM, vemos um forte repúdio a organização. Não há nas periferias, nos bairros da juventude pobre e trabalhadora, qualquer respeito pelos órgãos de repressão, que diariamente são responsáveis pelo assassinato de mais e mais pobres nas favelas.

A confiança no judiciário, típica de uma classe média que vive na histeria de sua vida, se vê ausente nas camadas mais esmagadas da sociedade. Organizações como a PM correspondem a verdadeira política criminosa da burguesia brasileira, e ao mesmo tempo são uma das principais razões do estado de ebulição que as camadas populares vivem.

Inúmeros são os protestos nos últimos meses contra a repressão e contra o genocídio causado nas periferias. Em números de mortos, a ação policial é de uma verdadeira guerra que por ano mata milhares e mais milhares de pessoas, tendo apenas no Rio de Janeiro, atingindo a marca de quase 2 mil mortos.

Enquanto a esquerda pequeno-burguesa busca tratar a PM como um órgão de “trabalhadores”, os cachorros loucos da burguesia assassinam milhares de operários e aprofundam, sobretudo com o governo do fascista Bolsonaro, sua política de total esmagamento da população.

Devemos atender as revindicações populares, indo assim às ruas lutar pela completa dissolução da PM, este órgão brutal e integralmente fascista que existe sob as asas do Estado brasileiro. Todos os órgãos de repressão, com destaque para a polícia militar, correspondem as vontades da burguesia golpista e fascista que controla o país. Logo, o fim da PM junto aos demais, são uma necessidade urgente para os trabalhadores.

Como forma de defesa, é fundamental que seja desenvolvido em todos os bairros populares comitês de autodefesa, organizado pelos próprios moradores, em resposta a repressão sofrida e como maneira de cuidarem de sua própria integridade física. O modelo democrático dos comitês de autodefesa, é vacina contra a prensa fascista da PM, e deve ser colocado em prática imediatamente.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas