Imprensa golpista mente e ataca Gleisi para favorecer Haddad e a ala direita do PT

montagem-haddad-hoffman

Nota no blog do jornalista de O Globo, Lauro Jardim, do último dia 25, expressa bem o interesse da imprensa golpista em favorecer a ala direita do Partido dos Trabalhadores na sua luta por assumir o controle do partido.

Com todo o descaramento peculiar a uma imprensa venal, o jornalista que assina a nota, Gabriel Mascarenhas, apresenta afirmações falsas ou, no mínimo, fora de contexto com o objetivo de vincular o ex-presidente Lula à ala direita do PT.

Segunda a nota, a presidenta do Partido, Glesi Hoffmann, estaria boicotando em suas redes sociais os movimentos de Fernando Haddad, o candidato da ala direita do PT à presidência do Partido.

Trocando em miúdos, segundo o jornalista, Lula quer que o PT seja a cara de Haddad e o boicote da Gleisi a ele iria colocá-la em confronto com o próprio Lula.

Desde a derrubada da presidenta Dilma Rousseff , que a burguesia procura interferir abertamente nos rumos do PT, ora promovendo uma caçada contra o partido, como na virulenta campanha de calúnias envolvendo o partido e seus principais dirigentes com corrupção, ora dando expressão as declarações de setores direitistas do partido que defendem “virar a página do golpe”, a “autocrítica do partido” , que desejaram “sucesso” para o governo Bolsonaro e que abandonaram qualquer mobilização real pela liberdade de Lula.

Depois do impeachment, o ponto alto da campanha dos golpistas contra o PT consistiu justamente em perseguir e prender em uma das maiores farsas jurídico-policial, seu principal dirigente e o maior líder popular do país, o ex-presidente Lula.

Mesmo parcialmente bem sucedidos, Lula continuava sendo um tormento de dentro da prisão. Além de montar uma nova farsa jurídica para impedir sua candidatura à presidência, pressionaram a ala direita para pressionar a direção do partido e o próprio Lula a apoiar, primeiro um candidato de fora do PT e, diante do insucesso, a lançar um candidato própria que permitisse montar uma operação de fraude e manipulação que levasse à vitória de um golpista nas eleições.

Passadas as eleições, mesmo com toda a farsa montada, o sonhado tempo de bonança com a estabilização do golpe teima em não acontecer, muito ao contrário. O governo Bolsonaro, com exatos dois meses, afunda no atoleiro do golpe e já carrega um crescente repúdio popular.

Com o regime político no meio de uma crise sem fim, os golpistas voltam os olhos para o PT. Por uma lado, promovem mais uma condenação de Lula, com um processo mais fraudulento do que o da primeira condenação e por outro, apelam à ala direita do PT para que aprofunde sua relação com o golpe, no que são atendidos por diversos setores que compõem a ala direita, como os governadores e o próprio Fernando Haddad.

Diante do fracasso em destruir o PT e no pântano em que está metida, a burguesia golpista procura a todo custo neutralizar o PT promovendo a ascensão da ala direita do Partido, inclusive usando o próprio Lula para atacar o setor lulista do partido, justamente a ala que expressa em alguma medida o repúdio popular ao golpe.