Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Ministro ataque
|

Da redação – Nessa quarta-feira (27), militantes do Partido da Causa Operária (PCO) e do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) organizaram uma manifestação contra a privatização do Parque Nacional do Pau Brasil, cuja cerimônia de “concessão” foi liderada pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Os militantes de esquerda foram protestar contra a entrega do patrimônio nacional pela direita golpista. O ministro, ao invés de abrir um diálogo com os manifestantes, entrou em seu carro e sua comitiva acabou jogando um dos veículos para cima dos manifestantes. Eles reagiram colocando cones na frente da comitiva, e se postando no sentido de diminuir a velocidade dos carros, já com certa indignação uma vez que a comitiva poderia ter atropelado mulheres e crianças que estavam no local. Em nenhum momento, no entanto, houve agressão a nenhuma autoridade.

Algum tempo depois, os manifestantes foram embora do local. Durante o ocorrido, os seguranças, que estavam acompanhando a manifestação, pegaram uma bandeira de um militante do PCO e, horas depois, quando já não havia mais nenhum protesto, armaram a farsa. Esticaram a bandeira sobre o capô de um dos veículos, com o vidro quebrado, ninguém dentro e a porta aberta.

O ministro, em seguida, fez uma postagem no Instagram em que acusa os militantes de o terem agredido, apesar de ter saído absolutamente ileso da confusão. Foi uma trama para tentar relacionar o PCO ao ocorrido.

A imprensa em conjunto logo saiu em defesa do ministro, declarando que o ocorrido era uma ação “terrorista”. Obviamente, que se trata de uma medida para atacar e intimidar a esquerda. Todos os jornais da burguesia se juntaram para realizar a campanha cuja contra a manifestação legítima e pacífica da população, para levar adiante a perseguição política contra as organizações de esquerda.

Matérias saíram no Estado de S. Paulo, Terra e outros importantes jornais da burguesia, com o objetivo de fazer uma campanha unificada contra o MST e o PCO.

É preciso denunciar que a campanha de falsificação, que omite totalmente o fato de que a comitiva do ministro atacou os manifestantes, é uma forma de perseguir toda a esquerda.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas