Saída temporária de Natal
Imprensa e judiciário querem cassar direitos de saída temporária
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
161267413_ea08ad86f2_o
No Brasil do golpe, os direitos dos presos não existem | Marcio Rocha Pereira

No dia de hoje o beneficio da saída temporária de Natal e Ano Novo foi concedido a diversos presos no sistema carcerário brasileiro, entre estes, algumas presidiárias amplamente conhecidas, já que protagonizaram crimes nos meios da alta burguesia e pequeno burguesa e acabaram virando celebridades com a cobertura da imprensa dadas a seus atos, como Suzane Von Richthofen, presa por matar os pais, Anna Carolina Jatobá, condenada pela morte da enteada Isabela Nardoni, e Elize Matsunaga, condenada por matar e esquartejar o marido, empresário Marcos Matsunaga.

Veículos de imprensa tradicionais e sensacionalistas, destacadamente a rede Globo, promoveram depois da liberação destas presas, ampla campanha contra esse benefício da saída temporária, a que eles chamam de “saidinha”.

As mulheres soltas cometeram crimes com grande campanha jornalística, adquirindo status de celebridades, com direito a coberturas de julgamentos, perícias televisionadas, perfis psicológicos esdrúxulos e todo o circo que se tem direito para envolver toda a população em historinhas macabras para e causar impacto na “opinião pública”. Quando na verdade, o que se apresenta são crimes como tantos outros que acontecem diariamente, mas obtém destaque porque ocorrem com a classe remediada brasileira.

A crítica sobre a saída de presas famosas, para a imprensa manipuladora brasileira é uma distração, na verdade buscam atacar o direito da saída temporária, a que todos os presos do regime semiaberto têm direito. Por ano, os presos do semiaberto podem permanecer trinta e cinco dias fora das masmorras brasileira, sendo o período dividido em algumas datas festivas do ano, como Dia das Mães, dos Pais, Páscoa, Natal e Ano novo.

As saídas do mês de março foram suspensas em 2020 com a crise da pandemia, o que acarretou diversas rebeliões e fugas em massa nos presídios de São Paulo, a retomada do benefício foi julgada no último mês de novembro com julgamento a favor das saídas temporárias de fim de ano.

A campanha sutil da Rede Globo em criticar a saída das “presas perigosas” não é por acaso, na verdade setores sociais como esses advogam a todo momento para o encarceramento em massa da população mais pobre e vulnerável, bem como contra qualquer direito que uma pessoa presa possa vir a ter, faz o apelo pela ordem e segurança social, mas a toda uma manobra pra barrar o direito ao indulto natalino, inclusive já existem representações de muitos juristas tentando barrá-lo, ou seja, buscam incutir a ideia de que presos são lixo, não tem direito a absolutamente nada, só apodrecer nas cadeias.

A que se diz a favor da população mas se coloca a favor de retrocessos de direitos legais como este é preciso lembrar que 99,9% dos presos brasileiros são pobres e vulneráveis, não são meia dúzia de mulheres brancas e de classe média e burguesa que serão as mais prejudicadas com a cassação do direito da saída, mas sim a maioria dos pobres que lotam as cadeias brasileiras, simplesmente por sua condição de classe.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas