Parceiros do governo Bolsonaro
Já no segundo dia de greve, trabalhadores dos correios são atacados pela direção da empresa e pela imprensa monopolista e golpista, parceiros na espoliação da empresa.
Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Greve dos Correios - 2020 (1)
Greve dos trabalhadores dos correios. | Foto por: reprodução.

A menos de 2 dias em greve, os trabalhadores dos Correios, já sofrem ataques da direção bolsonarista da empresa e da imprensa golpista burguesa que mentem sobre a greve e tentam jogar a população contra os trabalhadores.

Vários jornais da imprensa burguesa nesta quarta (19) noticiam a greve destacando pontos que poderiam que visam jogar parte da população, principalmente da classe média, contra os trabalhadores. Notícias que enfatizam o atraso em entregas, os riscos de atraso de pagamento de contas e enfatizando a versão do governo Bolsonaro da direção do general Floriano Peixoto de que “é preciso adequar a empresa a uma nova realidade”, ao se referir ao corte monstruoso de salários e benefícios proposto pela empresa com o fim do Acordo Coletivo de Trabalho.

A imprensa burguesa monopolista ainda enfatiza a interferência do STF na greve da categoria, destacando o julgamento de liminar sobre a manutenção do STF, praticamente determinando que um julgamento favorável do STF pela manutenção, acabaria com a greve.

A direção da empresa ainda mente ao afirmar que 82% da categoria estaria trabalhando normalmente. Segundo as federações e sindicatos da categoria, a adesão à greve já chega a 70% dos trabalhadores e segue aumentando.

Os trabalhadores não devem aceitar essa manipulação do governo, da direção e da imprensa burguesa, muito menos se deter por uma decisão insatisfatória do STF, que visa jogar água na mobilização da categoria, até porque a mera manutenção do ACT não atende a reivindicação dos trabalhadores que vêm sendo atacados há muitos anos e estão sob forte ameaça de privatização e perda completa dos empregos.

Para isso é necessário, intensificar a mobilização, ocupar as unidades de trabalho e não aceitar decisões insuficientes das direções sindicais pelegas.

Compartilhar no facebook
Compartilhe no seu Facebook!
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no telegram
Telegram
Compartilhar no email
Email
Compartilhar no reddit
Reddit
Compartilhar no facebook
Compartilhe
Compartilhar no twitter
Tuite este artigo!
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no telegram
Compartilhar no email
Compartilhar no reddit
Relacionadas